www.passandoalimpo.com

Arthur Godoy Júnior

arthur007@uol.com.br

Telefone e WhatsApp (11) 99118-5007


São Paulo, 23 de janeiro de 2019

Atualizado às 09h30

online


A notícia mais importante desta atualização

Tambaú deixa Catanduva; prefeitura reassume transporte

Todos os detalhes, logo abaixo...






Mande seu recado, sua reclamação, sugestão, ajude a sua cidade. O e-mail para contato é arthur007@uol.com.br. Você pode clicar no link acima e escrever seu comentário.


A notícia não tem hora para acontecer...

GRUPOS DE WHATSAPP PASSANDO A LIMPO

EM 23/01/2019 - 00 VAGAS

Os leitores do site Passando a Limpo que tiverem o aplicativo WhatsApp podem receber em primeira mão as notícias mais importantes do dia. Política, cotidiano, esportes, prestação de serviços, utilidade pública, administração, enfim, tudo isso em seu aparelho celular.

Acompanhe praticamente em cima da hora o fato, as repercussões, as opiniões. Saiba antes de todo mundo aquela notícia que será a discussão do dia seguinte.

Para participar é fácil.

É só clicar no link abaixo, ou encaminhar seu nome e número de telefone para o Whatsapp (11) 99118-5007 ou ainda pelo e-mail arthur007@uol.com.br

Diariamente informaremos o número de lugares disponíveis.

Afinal, a notícia não tem hora para acontecer...

Clique no link abaixo, e faça parte de nossa comunidade.



- A Tambaú está fora de Catanduva. Empresa e prefeitura não chegaram a um acordo e nesta quarta-feira o transporte coletivo já está sendo realizado por onibus escolares mantidos pela administração.

- Péssima qualidade dos ônibus, quebras constantes e panes secas - além das ampla cobertura que a imprensa regional vem dando ao transporte coletivo de Catanduva fizeram com que a prefeitura rompesse o contrato.

- Os proprietários da Tambaú não se manifestaram.

- Os horários serão os mesmos que vinham sendo realizados anteriormente, quando a Tambaú não estava na cidade.

- Pelo menos, nesta quarta-feira, não há registro de qualquer problema no transporte.

- A prefeitura se negou a pagar subsídio à Jundiá, na licitação, o que acarretaria redução do preço da passagem para R$ 3,75. Agora, governo passa a usar ônibus próprios para garantir transporte. Prefeitura pode ter que alugar ônibus.

- Na manhã desta quarta-feira, uma capivara entrou no estacionamento da Câmara Municipal. Foi necessária a ação do Corpo de Bombeiros para resgatar o animal.

- E a festa acabou. O prefeito Afonso Macchione não poderá participar do City Tour. Caso desobedeça esta norma, apontada pela Justiça, pagará multa diária.

A cada atualização, esta coluna receberá novos comentários e informações. Colabore enviando seu e-mail para arthur007@uol.com.br, com o título "Na Ponta da Pauta". Após recebermos a informação, realizaremos a checagem e publicação. Sigilo absoluto. Passando a Limpo: é você quem faz!


- A SAEC está renovando contrato com empresa que faz a medição dos hidrômetros e impressão de contas. Estas contas são impressas na hora, logo após a medição. Detalhe: o contrato anual que era de R$ 709 mil/ano deu um pequeno salto para R$ 841 mil. A SAEC informa no aditivo que este reajuste se dá pelo aumento no número de unidades medidas e correção de IPCA de outubro, que seria de 4,5%.

- A média do IPCA nos últimos meses tem se mantido em torno de 4% a 3,5%. Este pode ser o índice que os funcionários públicos municipais catanduvenses devem perder com a decisão do prefeito Afonso Macchione em não conceder o dissídio de 2019. O prefeito pretende fazer uma troca. Apresenta a possibilidade de pagar o atrasado do dissídio de 2015 e os funcionários esquecem o dissídio de 2019. Em outubro, o IPCA foi de 4,5%. Em dezembro, o índice foi de 3,86%.

- Apesar do prefeito ter anunciado que neste ano não concederá qualquer reajuste ao funcionalismo municipal, até o momento o Simcat não se pronunciou. A data base da categoria ocorre em março. Segundo Afonso Macchione, o poder público não tem obrigação alguma de conceder dissídio.

- Nesta madrugada, o catanduvense pagou todos os seus pecados. Foi uma das noites mais quentes do ano. Neste momento, às 10h24, os termômetros já alcançam exatos 30 graus. Segundo a metereologia, devemos chegar a 35 graus.

- Nesta terça-feira, 22/1, vence o prazo para o pagamento integral, com desconto de 3%, ou do parcelamento em três vezes do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2019 para os veículos com final de placa 0. Os contribuintes devem ficar atentos às datas de vencimento para aproveitar o abatimento e regularizar o imposto.

- O governo do Estado de São Paulo deposita nesta terça-feira, 22/01, R$ 397,33 milhões em repasses de ICMS para aos 645 municípios paulistas. O depósito feito pela Secretaria da Fazenda e Planejamento é referente ao montante arrecadado no período de 14/01 a 18/01. Os valores correspondem a 25% da arrecadação do imposto, que são distribuídos às administrações municipais com base na aplicação do Índice de Participação dos Municípios (IPM) definido para cada cidade.

- A conversa entre Marco Vinholi e Luis Pereira, no último sábado, teve a intenção de afinar o PSDB na cidade. O secretário de Desenvolvimento Regional deve ser eleito presidente estadual do partido e está trabalhando para que a maioria dos municípios tenha candidato próprio em 2020. Inclusive, pelas esquinas, há grupos políticos acreditando que o próprio secretário possa ser candidato a prefeito nas próximas eleições. O presidente da Câmara terá que se posicionar de uma forma mais neutra no legislativo e não mais como defensor ferrenho do prefeito Afonso Macchione.

- A Justiça ainda analisa pedido do prefeito Afonso Macchione para que indisponibilize os bens de todos os vereadores catanduvenses. Macchione moveu uma ação processando todos os vereadores, exigindo um pagamento de R$ 9 milhões aos cofres públicos. Para o prefeito, ao aprovarem o REFIs, os parlamentares causaram danos ao erário municipal.

- O empresário Roberto Cacciari vem mantendo contatos políticos e aumentando sua agenda pessoal em torno de eventos públicos. Cacciari deseja ser candidato a prefeito em 2020. Segundo dizem aliados, o empresário será candidato - com ou sem a participação de Afonso Macchione nas próximas eleições. Porém, alguns não esquecem que já ouviram este discurso antes.

- A prefeitura informou que a cozinha piloto - mesmo nas férias - vem produzindo uma média de 7 mil pães por semana para crianças da rede municipal de ensino. A produção tem início às 5 horas, com seis funcionários – sendo quatro merendeiras e dois auxiliares de produção. O trabalho é acompanhado pela nutricionista Larissa Volpini Rapina e pela engenheira de alimentos Maria Luiza Silva Fazio.

- Ainda sobre o empresário Roberto Cacciari, chega a informação que estará realizando encontro com lideranças no dia 26/01 às 16 horas no Hotel Líder.

- A semana começa com o risco da crise do transporte coletivo aumentar. A prefeitura soltou um comunicado dizendo que a Tambaú tem 48 horas, a partir desta segunda-feira, para se explicar e solucionar os problemas registrados com os ônibus alugados da Jundiá.

- Caso a Tambaú não resolva a questão, a prefeitura informou que assumirá novamente o transporte na cidade.

- A empresa até agora, manhã de segunda-feira, não se pronunciou.

- E no meio político o comunicado da prefeitura ameaçando retomar o transporte coletivo já é visto como falácia, piada e conversa mole para boi dormir. Motivo: na semana que vem, o transporte escolar volta à ativa e o governo não irá dispor de ônibus para atender a cidade.

- A não ser que o prefeito Afonso Macchione decida alugar ônibus, vontade essa que já ficou clara em entrevistas recentes.

- Mas não tem dinheiro para o subsídio, e pensa em alugar?

- O prefeito Afonso Macchione está processando criminalmente o vereador Enfermeiro Ari. Porém, o Ministério Público tem se pronunciado em ações semelhantes que os parlamentares estão protegidos pela imunidade parlamentar.

- O presidente da Câmara Municipal, Luis Pereira, recebeu o secretário de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Marco Vinholi. Conversaram a respeito do PSDB e de investimentos na cidade.

- Falando em Luis Pereira, em recente conversa com um interlocutor disse não acreditar que o prefeito Afonso Macchione tente a reeleição.

- O próprio prefeito teria informado a Pereira que após o mandato deve se afastar da política.

- A prefeitura está contratando empresa de informática. Motivo: realizar os cálculos referentes aos atrasados do dissídio dos municipiários referentes a 2015 até 2018.

- Para você que estava com saudades das sessões do Legislativo, dentro de duas semanas, os vereadores voltam às suas atividades normais.


Opinião

Ex-prefeito

Arthur Godoy Júnior

No mês passado, numa entrevista concedida no Terminal Urbano o ex-prefeito Afonso Macchione garantiu que não tentará a reeleição. Como sua credibilidade política não anda lá essas coisas, faz um mês que as pessoas na esquina garantem que Macchione será candidato. Para elas, o ex-prefeito está fazendo um jogo de cena esperando as peças no tabuleiro, quem pode aparecer como oponente e aguardando uma melhora nos ventos administrativos e políticos. Assim, por falta de opção da população, e esperando ser aclamado pelo povo, Macchione - num esforço ímpar e num sacrifício sem igual - enfrentaria mais quatro anos de prefeitura pelo "bem de Catanduva".

Para quem saiu com a fama de ter sido o melhor prefeito que esta cidade já viu - o que nunca foi verdade, pois Warley Agudo Romão fez muito mais com a metade do dinheiro - , parece ser um fim administrativo melancólico ter que sair pela porta dos fundos da prefeitura. Desesperado para reverter o quadro que se concretiza, o ex-prefeito vem tentando aumentar a divulgação de seus feitos. Tirando das catacumbas do absurdo, veio o City Tour. Mas tão logo surgiu, naufragou. A Justiça impede que Macchione pegue o microfone e saia pela cidade mostrando suas "intervenções". Sem o astro principal, o projeto perde a sua razão de ser.

O velho político usa velhas políticas. É sempre assim: assume a prefeitura, chora, arranca a pele do povão com impostos, multas, taxas, melhora a arrecadação, dá uma maquiada na cidade, o povo aceita comovido, e aí é só sair para o abraço. Mas Catanduva já vinha num ritmo político alucinante. O ex-prefeito Geraldo Vinholi inaugurou uma Era onde as redes sociais são determinantes, além de derrubar as barreiras impostas de forma implícita entre Legislativo e Executivo. Hoje, vereador sobe na tribuna, descarrega uma bateria de críticas e ofensas, bate sem dó ou piedade, e praticamente sai aplaudido pela população. Nos primeiros mandatos do ex-prefeito, as críticas existiam mas eram amenas e cheia de resguardos. Hoje, o vereador acerta a medalhinha e ainda repete a dose.

O que Vinholi pagou com Amarildo Davoli, Macchione vem pagando com Enfermeiro Ari, Maurício Gouvêa, Ditinho Muleta, Gaúcho e de vez em quando, Wilson Paraná. Davoli e Cidimar Porto enfiaram a viola no saco e hoje viraram caricaturas do que já foram. Cidimar Porto defendendo Macchione é justamente aquela situação que não resolve o problema e ainda fica feio para quem faz.

Ficou claro neste episódio do transporte que o avião perdeu o piloto. Uma troca de secretário dos Transportes em plena crise é para acabar com os rosários de Aparecida do Norte. Entra ônibus, sai ônibus, vem promessa, sai promessa, acontece reunião, cancela reunião. E a saúde daquele jeito, os funcionários descontentes, buracos pela cidade, mato para todo lado, secretários mais perdidos que bala em boca de banguela. Isso sem contar as condenações judiciais, a briga política e judicial com os vereadores, e a teimosia de alguém que ainda não aprendeu a conviver socialmente.

Estamos em 2019. O ex-prefeito ainda faz política de 2002, desgastada e que não engana mais ninguém. Vamos torcer para que o tempo passe rápido e que a próxima eleição chegue logo - sem maiores danos à população.

Ah, em tempo. Espero que vocês não tenham se incomodado com o texto onde chamo Macchione de "ex-prefeito". Isso é de fácil explicação.

Ele pode até estar no cargo, mas administrativamente já era faz tempo...

Meu nome é Arthur Godoy Júnior.

Este é o site Passando a Limpo, atualizado diretamente de São Paulo.

E amigos leitores, fiquem bem. Onde quer que vocês estejam...


Opinião

CTV, a gripe espanhola e o cemitério invisível

Luiz Roberto Benatti

Como a moda, a gripe vai e volta e, no retorno, ela ceifa vidas sem dó nem piedade. Para o historiador, chamá-la, como o fazemos agora, de gripe aviária ou suína significa, talvez, desorientar a criatura humana quase sempre desassossegada com desacertos do dia-a-dia.

A gripe é endêmica nesses animais, razão por que, quase sempre, ela migra da Ásia para o restante do mundo. Além dos galináceos que com ela convivem desde a aurora dos tempos, os patos, migratórios, descem do alto para a superfície dos grandes lagos asiáticos para banhar-se e tomar água, que os porcos criados soltos tomam e, com o líquido, fragmento de fezes das aves.Os asiáticos são assíduos consumidores de carne suína.

O resto do percurso, faz-se pelo deslocamento cada vez mais volumoso das pessoas pelo globo. Se é verdade que não costumamos de bom grado dividir com nossos pares caraminguás preciosos, partilhamos com eles o perdigoto do espirro e o gracioso aperto de mão. Há pouco, a Organização Mundial da Saúde advertiu as autoridades do mundo inteiro para o grau de periculosidade de grau 5 da gripe.Leiam o Levítico. Além do retorno da gripe, há outro fato que nos remete à Primeira Grande Guerra: o conflito bélico do Oriente Médio. Gripe e guerra formam o par perfeito para a instalação e a difusão das doenças, mas também para a dilapidação da economia.Como se deram as coisas em 1914-1918?

À Primeira Guerra Mundial, nos estertores finais, seguiu-se a gripe espanhola. Desgraça pouca é bobagem. Viam-se cenas muito parecidas com as dos fotogramas de O sétimo selo do cineasta sueco Ingmar Bergman: corpos fragilizados, almas esmorecidas, perda do sentido de reconstrução e continuidade da vida. A gripe desencadeou-se no justo instante em que Vila Adolfo estava para virar Catanduva.

Mato ralo e cidade em formação. Festa de Carnaval, do Clube 7 para cima, pela emancipação política - e procissão de trevas pela exorcização da gripe. Eram tantos os que tombavam mortos, que os coveiros não dispunham de caixões suficientes para agasalhar corpos quase-febris.Foram atirá-los em covas rasas, cobertos de cal, ao longo da Rua Sergipe, um pouco acima do antigo leito do Rio São Domingos (pela Rua Paraíba), do centro mal arrumado até os confins do SENAC.

Do leito do rio, Maranhão acima, a Sergipe é o primeiro degrau de terreno sólido, numa topografia que se fez por talvegues ou um pouco parecida com o dorso dum serrote.

A gripe espanhola não se originou na Espanha

Apesar do codinome que a tornou conhecida no mundo todo, a gripe espanhola não se originou na Espanha, mas provavelmente num acampamento de soldados do Kansas, nos EUA, prontos para embarcar para a Europa emguerra.Havia 26000 soldados nas barracas e, no dia 1o. de março de 1918, 107 deles manifestaram gripe severa e faleceram.No entanto, os sobreviventes, hospedeiros do vírus, seguiram para o fronte. Quem se safou da gripe, contaminou companheiros e inimigos.

O apelido se impôs porque o rei de Espanha foi uma de suas primeiras vítimas notórias. A pandemia pode ter surgido nas trincheiras francesas infestadas de ratos: houve surtos em Brest e St. Nazaire, mais tarde associados com a chegada das tropas norte-americanas. É provável que na primavera de 1919, alastrada por quase todas as nações do mundo, a gripe tivesse atingido o ápice com 27 milhões de mortos, a maioria dos quais na África, Índia e China. Dois milhões e 200 mil mortos por mês.

O mal era velocíssimo e devastador: em junho de 1918, 160.000 berlinenses foram contagiados e, na Filadélfia, nos EUA, 650 num único dia. Em razão da inexistência de antibióticos, recomendavam-se remédios caseiros e tisanas, como rapé, toalhas embebidas em vinagre quente, doses fortes de uísque ou gengibre, soda e açúcar em copo de leite quente. Em nossos dias, ainda alimentamos a fantasia de que uma boa chiboca nos cura da flu e suas variantes. Médicos especialistas advertiam para o uso obrigatório de máscara como meio único de evitar-se o contágio.

Mais tarde, assim como veio, a gripe passou. Na arte surrealista de ceifar vidas, a gripe foi o mais eficiente dos coadjuvantes da Primeira Guerra Mundial.


Colunismo mais que social tem nome e sobrenome:

Arlindo Gutemberg

- Oi gente, tudo very well? Como a nata mais social desta comunidade pachalense passou o Ano Novo? O arroz foi com ou sem uva passa? Espero que tenham caprichado no champagne, já que homens de bens não podem ficar bebendo qualquer coisa. E na categoria destilado, tem que ter de 12 anos para cima, On The Rocks, pois Cowboy é coisa de pobre.

- Já noto alguns famigerados leitores do Pastando a Limpo intrigados com a dúvida cruel: O que é On The Rocks e o que é Cowboy? Well, se vocês não sabem é melhor continuarem na ignorância. Pois gente rica já nasce sabendo a diferença. Procurem nas Enciclopédias Barsas empoeiradas ou como os pobres gostam de dizer: "vão dar uma googlada que vocês ganham mais".

- Este colunista mais que social aproveitou o inverno para esquiar nos Alpes. Pois se tem coisa que pobre gosta de fazer é ir para Ubatuba e postar no Facebunda. E sempre com aquela frase: "Férias, vem ni mim!". Tem pobre pachalense que passa o ano todo na dureza apenas para encher o carro de mala e ir passar uns dias na praia, na colônia de férias. E tira foto ao lado da mesa com cerveja, de óculos escuros e sorrindo. Como se a gente quisesse ver, não é mesmo?

- Mas o que nós, da nata mais que social, podemos fazer? Infelizmente, a inclusão digital trouxe para perto aquilo que a gente gostaria de ver longe. Este colunista mais que social ainda tenta se acostumar com as imagens horripilantes que pulam pelo Facebunda, ainda mais aquelas senhoras de pele cor de sal e seus maridos inquietamente barrigudos. E todo mundo de sunguinha e biquini. Maldita inclusão digital...

- Tão logo voltei para a nossa querida Pachalândia eis que me deleito com a imagem mais que esperada pela nata social. Uma foto - de parede -, quase uma pintura, de nosso amado Rei Fonsinho abraçado com El Bigodon, Amarildo Davóglio e Onofre Barango. Confesso que fui às lágrimas já que antevejo dias melhores para nosso amado, agora que a Câmara dos Lords está sendo doutrinada, domesticada e amaciada por El Bigodon. Não há dúvida que o novo presidente não perdeu tempo. Já que vai entregar a rapadura, que entrega logo.... Esse é dos meus...

- Pois Rei Fonsinho entrou na Câmara dos Lordes e encontrou dezenas de pé rapados devidamente perfilados. Tudo isso para apertar a mão de nosso Rei. Mais um pouco chamavam os Dragões lá de Brasília, para anunciarem ao som de cornetas e rufar de tambores a chegada de nosso Rei. E Rei Fonsinho foi andando, de sorriso no rosto, apertando mãos (espero que o estoque de álcool esteja abastecido), e anunciando que a partir de agora teremos céu de brigadeiro entre os poderes. Gente do céu, que coisa mais linda, mais fofa...

- El Bigodon estava feliz como pinto no lixo. Os olhos brilhavam, a boca ficou até seca. Faltou ali o nosso querido Cindimar Ponto, que estava viajando. Mas precisa mais? E se o Cindimar Ponto estivesse ali, gente do céu, teria que colocar para tocar a Dio Come Ti Amo. Muita emoção....

- Porém, dizem o baixo clero, que Cindimar Ponto viajou mas emburrado. Sentiu aquele cheirinho de traição no ar.... Amore, amore....

- Pachalenses desprovidos de condição financeira minimamente invejável estão se divertindo com as surpresas preparadas por Rei Fonsinho. Em clima de festa e verão, Rei Fonsinho lançou o programa: "Será que chega?". As regras são básicas. Todo mundo entra no busão, paga a tarifa e começa a rezar para o diesel não acabar. É quase um culto evangélico. O busão andando e o pessoal orando. "Segura na mão de Deus, segura na mão de Deus, e ela te sustentaráááááá..."

- Mas é lindo de se ver. Todo mundo ali chacoalhando e de repente o motorista avisa: "acabou o diesel". E o pessoal descendo com aquela cara de "de novo??

- Pachalense leitor desta coluna informa que nesta semana já pegou oito "quase" ônibus. Para ir do Higienópolis até o Padre Albino teve que subir e descer várias vezes, empurrar algumas outras, e no final, ajudar na vaquinha para comprar diesel. Emoção pura!

- Na Pachalândia temos os Busão Denorex. Parece, mas não é...

- Infelizmente, a hipocrisia local não permite deixar alguns fatos claros passarem em branco. Quando os ônibus da Jundiái foram embora, todo mundo fez beicinho olhando as fotos. Teve gente que até acenou. Agora que voltaram, o que acontece? A reclamação geral. Senhores desta comunidade, por favor, se decidam. O que não dá para acontecer é o Rei Fonsinho se esforçar e vocês ficarem reclamando...

- O problema do pachalense é não entender as regras do mercado. Pagam para "entrar" no busão...Agora, andar é outra história...

- Sério mesmo que vocês pensaram que R$ 4,00 era para entrar e andar? Gente do céu, que inocência! Já viram o preço do óleo diesel?

- Atenção senhores passageiros.... Favor trazer o óleo diesel de casa...

"Enquanto isso, num ponto de ônibus:

- Esse ônibus vai para onde?

- Não sei. O importante é que está andando...."

- Este colunista mais que social sabe muito bem como são estas coisas. Acreditam que dia desses, no meu heliporto particular, não pude usufruir de meu helicóptero por falta de teto? Imaginem o meu desespero, a dor no coração, a aflição. Por isso mesmo, minha solidariedade a todos vocês que embaixo de um sol de 65 graus estão tento que empurrar o ônibus ladeira acima.

- Dito isso, segue o enterro....

- Rei Fonsinho quer jogar concreto no rio. Nada mais justo. As concreteiras agradecem....

- Well, well, well, e por enquanto é só. Um beijo no coração de todos. Principalmente para o nosso amado Rei, que não mede esforços para trazer alegria e diversão para os pachalenses. (Arlindo Gutemberg, tomando sorvete e vendo o povão empurrar o ônibus rua sete acima..."

PARA ENTRAR NA PÁGINA DE ARLINDO GUTEMBERG - NO FACEBUNDA - CLIQUE AQUI. DEPOIS, CURTA E SIGA. ATUALIZAÇÕES DIÁRIAS




WhatsApp - (11) 9 9118-5007



CANAL ARTE DA GUERRA

Comandante Robinson Farinazzo Casal


PASSANDO A LIMPO NO FACEBOOK - CLIQUE AQUI E CURTA



http://twitter.com/arthurgodoyjr



PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES DE CATANDUVA E REGIÃO:


Tempo e temperatura


Google


Atenção!

Para ter Passando a Limpo em seu órgão de informação, ou receber material editorial de Arthur Godoy Junior, entrar em contato com a direção do site pelos telefones, e-mail ou endereços citados nesta página. Consultorias em jornalismo e estratégias de informação também podem ser adquiridas pelo mesmo método.


ENTRE EM CONTATO

(011)

99118-5007

ou...

(011) - 99118-5007 - WHATSAPP

E-mail: arthur007@uol.com.br


PODERES


Se você gostou deste site, acha que falta alguma coisa, colabore com a gente. Envie e-mail para arthur007@uol.com.br, ou telefone para (11) 99118-5007. Precisamos do seu apoio e incentivo, já que esta página é editada em São Paulo - S.P., a 385 km de Catanduva e região. Nossa intenção é informar, debater e ajudar. Mande suas informações, fotos, comentários. Ajude a manter este espaço. Agradecemos desde já. (Passando a Limpo)



Passando a Limpo é uma publicação on-line do jornalista Arthur Godoy Júnior (MTB 26.822) Endereço para contato: Rua Domingos Teotônio Jorge nr. 61 - Aricanduva - São Paulo - S.P, CEP 03904-040. Telefones: (11) 99118-5007, (0xx11) 2725-134. E-mail: arthur007@uol.com.br - Hospedado na Locaweb - São Paulo. On-line desde 19/01/2003.