www.passandoalimpo.com

Arthur Godoy Júnior

arthur007@uol.com.br

Telefone e WhatsApp (11) 99118-5007


São Paulo, 17 de fevereiro de 2019

Atualizado às 11h20

online


A notícia mais importante desta atualização

Maioria dos leitores quer instauração de Comissão Processante contra Macchione

Todos os detalhes, logo abaixo...



Você é contra ou a favor de que a Câmara instaure uma comissão processante para investigar o prefeito Afonso Macchione?

A favor. Quem não deve, não teme e a cidade já está pagando muito caro pelos desmandos deste governo 71.24% (161 votos)

Contra. Isso é politicagem dos vereadores da oposição. 7.96% (18 votos)

A favor. Está na hora dos políticos responderem por seus erros. 15.04% (34 votos)

Contra. Macchione continua tendo o apoio da população. 1.77% (4 votos)

Lula livre! 3.98% (9 votos)

Total: 226 votos







CANAL ARTE DA GUERRA

Comandante Robinson Farinazzo Casal


Caro Arthur,

Na sexta-feira passada (8/02) o benefício do alelo foi libera, porém não pra todos ... Minha esposa trabalha na área da educação, o dela e de mais algumas pessoas do mesmo setor não foi depositado ... É muito complicado pois ninguém trabalha por hobby e usamos o cartão pra comer e abastecer ... INCLUSIVE abastecer pra ir TRABALHAR !!!!! Ligaram o dia todo pro RH da prefeitura, e a única resposta é que já mandaram um e mail pra "empresa" e estão aguardando encontrarem o erro, enquanto isso estamos aqui precisando do cartão. O mais engraçado é que quando depositaram o valor duas vezes e veio o dobro, eles em 40 minutos já retiraram o valor que estava a mais, agora pra resolver e depositar oque é deles por direito ta essa enrolação. Catanduva esta mesmo um caos, uma vergonha !!!

Leitor

Mande seu recado, sua reclamação, sugestão, ajude a sua cidade. O e-mail para contato é arthur007@uol.com.br. Você pode clicar no link acima e escrever seu comentário.




- Caso o prefeito Afonso Macchione seja afastado de suas funções por 90 dias, como prevê uma comissão processante, quem assumirá é a sua vice Marta Espírito Santo. Enquanto Macchione estiver fora do governo, as decisões administrativas caberão à sua sucessora. Se houver algum impedimento, neste caso a cadeira de prefeito será ocupada pelo presidente da Câmara, Luis Pereira.

- A Comissão de Ética da Câmara Municipal viu irregularidades administrativas do prefeito na condução da licitação do transporte público da cidade. Neste mesmo sentido existe manifestação do Ministério Público, que instaurou procedimento de investigação. No próximo dias, os vereadores Maurício Gouvêa, Ditinho Muleta e Enfermeiro Ari, estarão apresentando parecer em que pede a instauração de uma Comissão Processante.

- Para que a Comissão seja instalada são necessários nove votos. Pelo menos dois vereadores macchionistas demonstraram nos últimos dias insatisfação com o governo: Nilton Cândido e Amarildo Davoli. Ambos são vereadores do PSB.

- Nos últimos dias, nos corredores do legislativo, Amarildo Davoli tem confirmado que não está mais ao lado de Macchione. De um jeito peculiar e delicado, como é de seu feitio, Amarildo Davoli vem "homenageando" Macchione.

- Mas a costura sobre os votos de cada vereador deve acontecer nos próximos dias.

- Membros do governo tentam abafar a crise. Há quem acredite até mesmo numa intervenção do ex-vereador Marcos Crippa nesta situação. Crippa tem sido visto quase que diariamente ao lado do presidente da Câmara, Luis Pereira. O chefe do Legislativo - apesar de ser do PSDB - é macchionista roxo. Ontem, quinta-feira, ambos estiveram em uma reunião na Secretaria do Meio Ambiente.

- Por outro lado, alguns esperam que o futuro presidente estadual do PSDB, Marco Vinholi, mova sua força política dentro do partido para que Luis Pereira desça do muro e sinalize que irá apoiar a proposta de Comissão Processante contra o prefeito municipal.

- Existe um consenso dentro do legislativo. A imagem de Macchione e de sua administração está desgastada.

A cada atualização, esta coluna receberá novos comentários e informações. Colabore enviando seu e-mail para arthur007@uol.com.br, com o título "Na Ponta da Pauta". Após recebermos a informação, realizaremos a checagem e publicação. Sigilo absoluto. Passando a Limpo: é você quem faz!


Opinião

Walking Dead

Arthur Godoy Júnior

Pela intensidade do cotidiano, não tenho tempo de ver séries. Relaxar com o controle remoto na mão não é meu forte, o que reconheço ser um erro. Todo ser humano precisa saber equalizar seus momentos para o trabalho, o descanso, a labuta e o conforto. Por essas e outras, tenho nas costas crises diárias de estresse, que vou driblando como dá e quanto dá. Por outro lado, faço questão de tentar zerar todas as revistas que ainda não lí e se amontoam pelos cantos, bem como manter uma rotina de leitura. E de vez em quando, revejo algum filme bom. Há um momento na vida que é melhor rever algo bom do que perder tempo com novidades ruins.

Mas como não vejo séries, não posso dar detalhes sobre Walking Dead. Jamais assisti a qualquer episódio, mas não sou alienado suficiente para não saber que se trata de um monte de zumbi correndo atrás de pessoas normais. De vez em quanto, para chacoalhar o ambiente, um desses normais vai para a cova ou se junta aos zumbis. No ano passado assisti a um filme coreano que falava sobre zumbis, muito interessante. Mas particularmente, acho cansativo. Como tem quem gosta, segue o barco.

Na política, temos os nossos zumbis. A história está repleta deles. Pessoas que ocuparam cargos públicos, tiveram um certo poder mas acabaram definhando até o desaparecimento completo. Fernando Collor de Mello, nos últimos dois meses como presidente, ocupava o horário nobre da televisão para se defender de acusações. Quase que diariamente, estava em rede nacional tentando se manter vivo. Olhos esbugalhados, cabelos penteados com gel, algo até assustador. Também tivemos José Sarney nos últimos meses da presidência, Dilma semanas antes de ser afastada. São pessoas que estão sentadas no poder, mas já não significam absolutamente nada na estrutura política. Mais ou menos como Michel Temer, nas últimas semanas de governo.

Afonso Macchione, o mais que aclamado prefeito que esta cidade já viu. Ungido pela população para um terceiro mandato, passou a definhar politicamente tão logo assumiu. A história vocês já sabem. Desde a tentativa de responsabilizar Geraldo Vinholi pela desgraça local, até manobras para cortar benefícios de municipiários. Recursos judiciais contra pagamentos do dissídio, solicitações de Ações de Inconstitucionalidade contra projetos de vereadores - muitos, de extrema importância. Confrontado, decidiu criticar a Câmara, cavando ainda mais sua própria sepultura.

Nos bastidores, discute-se abertamente o afastamento do prefeito. Antigos aliados se mostram ressentidos e dispostos a aposentar Macchione da vida pública. Alguns garantem que o próprio chefe do Executivo já jogou a toalha. Para alguns, a lógica é simples e rápida: ao ser processado pela Câmara, de saco cheio, Macchione renuncia. Marta, a vice, não vai querer apanhar um abacaxi deste tamnho: sem dinheiro e com processos do Ministério Público surgindo como tiririca. Deve renunciar com o chefe. A prefeitura vai para Luis Pereira e a presidência da Câmara cai no colo de Amarildo Davoli. Pereira teria como governar com o apoio do legislativo.

E o nosso zumbi político? Sai andando...

Meu nome é Arthur Godoy Júnior.

Este é o site Passando a Limpo, atualizado diretamente de São Paulo.

E amigos leitores, fiquem bem. Onde quer que vocês estejam...


- O prefeito Afonso Macchione infringiu artigos legais dentro da administração pública e precisa ser investigado pela Câmara Municipal.

- Este será o resumo do relatório a ser apresentado pela Comissão de Ética da Câmara Municipal. Os vereadores da comissão, Enfermeiro Ari, Ditinho Muleta e Maurício Gouvêa já começaram a analisar documentos e relatos do histórico envolvendo a crise do transporte coletivo. Segundo uma fonte, a comissão já tem certeza que o prefeito foi omisso e não trabalhou para que a crise fosse evitada.

- A comissão também irá se basear em investigação proposta pelo Ministério Público, onde em sua portaria inicial aponta que o prefeito cometeu improbidade administrativa.

- Os vereadores querem rechear o relatório com documentos e valores. Não se sabe quando o relatório será apresentado em plenário.

- Para a comissão processante ser instaurada são necessários nove votos.

- Levantamento realizado pelo site Passando a Limpo aponta que - nos bastidores - há número suficiente para a votação e aprovação do relatório.

- Amarildo Davoli e Nilton Cândido demonstraram nesta terça-feira toda insatisfação com o governo. Há informações que os dois vereadores estão sendo cobrados por sua base eleitoral e opinião pública.

- Caso a Comissão de Ética apresente o relatório indicando falhas administrativas do prefeito, há possibilidade dos vereadores do PSB não obstruírem a iniciativa.

- Nilton Cândido e Amarildo Davoli também estão na mira da Promotoria Pública. Caso seja confirmado que o prefeito realizou uma jogada para manobrar a licitação do transporte a ponto de assinar um contrato emergencial, sem licitação, os vereadores que o auxiliaram nesta situação poderão ser investigados.

- Davoli e Cândido já sentiram o golpe.

- Caso a Comissão Processante seja instaurada, o prefeito Afonso Macchione corre o risco de ser afastado e posteriormente cassado.

- A base aliada do prefeito Afonso Macchione fez duras críticas ao chefe do Executivo. Na sessão desta terça-feira, Amarildo Davoli e Nilton Cândido, ambos do PSB, demonstraram todo o descontentamento com Macchione. Nilton fez questão de dizer que não é aliado do prefeito e Amarildo Davoli chegou sugerir que não é querido na prefeitura. Amarildo Davoli disse que tenta há anos a instalação de duas lombadas nas proximidades do Supermercado Proença, mas é ignorado. Davoli ainda disse que o prefeito recebeu R$ 1 milhão para obras no Nova Catanduva 2, mas até agora, nada.

- População continua indignada com os estragos registrados na rua Altair e Antônio Girol. Moradores dessas regiões pedem providências por parte da Câmara Municipal. Comerciantes estão há quase 30 dias sem poder abrir as portas ou receber clientes. Após as chuvas de ontem, todo o trabalho terá que ser refeito - mais uma vez.

- Segundo radar metereológico de Bauru, esta quarta-feira deverá ter tempo instável em Catanduva. Máxima deve alcançar 28 graus, com pancadas de chuvas no final do dia. No momento, Catanduva está com 21 graus.

- Sessões on-line do legislativo estão com problemas de transmissão. O canal do Facebook da Câmara apresenta a sessão, mas o áudio e vídeo estão entrecortados. Devido à chuva da tarde de ontem, o sistema apresentou falhas.

- O prefeito Afonso Macchione volta a insistir na redução de horas dos médicos da cidade. Ele quer que os profissionais trabalhem 10 horas semanais. Atualmente, são 20 - ou seja, quatro horas por dia.

- Vereador Onofre Baraldi deve mudar posição de voto e projeto de redução de horário de médicos será aprovado pelo legislativo. Encaminhamento da proposta foi enviado para a Câmara Municipal com a certeza de aprovação.

- Nesta quarta-feira, 13/2, vence o prazo para os proprietários de veículos com placa final 3 efetuarem o pagamento à vista, sem desconto, do IPVA 2019. Quem optou por recolher o imposto em três vezes também deve ficar atento e recolher a segunda cota hoje. O calendário continua na quinta-feira, 14/2, para os contribuintes com automóveis final 4, e assim sucessivamente até 22/2, para placa final 0, sempre desconsiderando os finais de semana.

- A locação de 12 ônibus para transporte de passageiros em Catanduva - por três dias - custou aos cofres públicos a quantia de R$ 52 mil.

- Atenção passageiros de transporte coletivo que possuem créditos pagos à empresa Jundiá. Estes créditos não serão aceitos pela Viação Paraty. A prefeitura está notificando a Jundiá para devolução de valores aos passageiros.


Opinião

Os quatro cafés

Luiz Roberto Benatti

Parte significativa da vida politico-administrativa de CTV talvez possa ser recontada por seus cafés, desde que sejam eles entendidos como lugar de ajuntamento de pessoas que conversem, à moda árabe, sobre o dia-a-dia, a vida privada ou os sonhos de ultrapassagem, a utopia, enfim. O primeiro deles, mítico, foi o Café da Marina, na Rua Rio de Janeiro, esquina da Brasil, Praça 1º. de Maio. Marina servia a bebida aos passageiros da antiga Railroad & Co./EFA, quase sempre procedentes de São Paulo, paletó e gravata, mala à mão, vendedores de seda, linho, chapéus, óleo, azeitona, queijo, vinho. Recuado, esse período talvez pudesse ser chamado de Desembarque. Os viajantes transportavam também notícias do mundo mais largo, de tal modo que a velha estação da EFA era nossa ágora trepidante, recoberta de faúlhas e fumaça.

Ao lado do café, ficava a primeira versão do Cine central, porque o imaginário,ao mesclar-se com o bate-papo, ilumina o presente e abre picadas para o futuro.Um dia a moçada ousada da cidade queimou o prediozinho da estação e o pontilhão de madeira da 7 de setembro, porque tanto a ferrugem da República velha quanto os laços desfeitos com Portugal já não respondiam aos nossos sonhos mal delineados. Escalamos o paredão da Rua 3/Brasil e, no Largo do Café/Praça da República, abriu-se o Café da Esquina, até há pouco o mais agitado dos quatro, o único que congregou pobres, remediados e ricos, advogados, médicos, engenheiros, comerciantes, engraxate e jornaleiro. Estivéssemos em Paris e ele teria sido o nosso Café de Flore, porque lhe faltaram largos espaços e mesas, mas não o lugar da calha iluminada para os jornais A cidade e O bandeirantes que podiam ser lidos na dobra da Alagoas com a Brasil.

Por ali passaram Hugo Borghi, Adhemar de Barros, Getúlio, Jânio, Lula, Jorge Amado, Zé Lins do Rego, Chaim, Borelli, Warley. Se Baldeação for nome simpático ao café e ao período, vamos chamá-los desse modo. Foi o lugar de troca das velhas indumentárias rurais por roupas urbanas mais coloridas. O Café da Esquina não era o lugar de ajuntamento do "estrangeiro" mas o ponto de encontro dos "de dentro" capazes de sintonizar o que estaria para além de Araraquara, cuja ponte entre pontos distantes foi erguida por Carlos Machado, a criatura que, com Aristides Procópio de Oliveira, encarnou nossa tomada da Bastilha quando ambos incendiaram a Estação. Na revista A feiticeira, Machado projetou a cidade industrial, hoje colocada num desvio ferroviário. Ao lado do Café, ficava o Cineteatro República, em que Carlos Lacerda falou e, a caminho do café, moçada ao redor, respondeu à pergunta sobre o que deveríamos fazer com a companhia de luz e seu precaríssimo fornecimento de energia. Lacerda respondeu na lata que deveríamos pôr fogo na companhia e foi o que se fez. O Café da Esquina perdeu substância política, os novos administradores não têm mais tempo para o bate-papo, de tal modo que nos enclausuramos num Desvio: o terceiro e o quarto cafés, quer dizer, a Pão & baguete e a Santa Gula abrigam bebedores de café, divididos porém por automóveis caríssimos e distanciamento social. O imaginário cinematográfica apequenou-se no celular, sem direito ao acompanhante. Estamos no período do acúmulo do pouco Capital sobrante e a dispersão, nossa dolorida ferida aberta. Quantos de nós se dispõem a perder 15 minutos num café para jogar papo fora?

Nosso futuro é feito de silêncio e vazio político.


A notícia não tem hora para acontecer...

GRUPOS DE WHATSAPP PASSANDO A LIMPO

EM 17/02/2019 - 00 VAGAS

Os leitores do site Passando a Limpo que tiverem o aplicativo WhatsApp podem receber em primeira mão as notícias mais importantes do dia. Política, cotidiano, esportes, prestação de serviços, utilidade pública, administração, enfim, tudo isso em seu aparelho celular.

Acompanhe praticamente em cima da hora o fato, as repercussões, as opiniões. Saiba antes de todo mundo aquela notícia que será a discussão do dia seguinte.

Para participar é fácil.

É só clicar no link abaixo.

Diariamente informaremos o número de lugares disponíveis.

Afinal, a notícia não tem hora para acontecer...

Clique no link abaixo, e faça parte de nossa comunidade.



Colunismo mais que social tem nome e sobrenome:

Arlindo Gutemberg

- Oi gente, tudo very well? Aqui no Reino da Pachalândia, onde a paz reside e temos ao nosso lado o Monarca mais querido de toda a nossa histórica história, tudo azul! Pessoas felizes, o progresso ventando aos quatro cantos, num verdadeiro céu de Brigadeiro. Rei Fonsinho, nosso amado, mostrando e demonstrando o que é governar com capacidade e planejamento. Mas, a oposição raivosa e infeliz, além de mal amada, não consegue ver o que o sol esbanja em mostrar: nossa Pachalândia cada dia mais cuidada, com os pachalenses felizes e contentes.

- É lindo ver no rosto do povo o sorriso de quem está feliz:

- Infelizmente, a oposição - inimigos políticos, pagos com certeza pelos Vignólios e pelos Sabão, ficam provocando intrigas, mentiras, calúnias e difamações. Para eles, detratores, nada está bom. Reclamavam da Jundiá, não reclamavam? Mandamos ela embora, o povão ficou a pé, mas resolvemos o problema. Veio a Tambú, e como o povão estava com saudade da Jundiá, trouxemos os ônibus de volta! E o que vimos, senhores de bens? Reclamações e mais reclamações. Este colunista mais que social não entende. Além de pagar a passagem, o povão ainda quer andar de ônibus? É isso mesmo, Arnaldo? Vocês pediram ônibus, Rei Fonsinho trouxe ônibus, ora bolas. E em perfeitas condições:

- Mas como já dizia o mendigo da praça, a ingratidão faz morada nos corações ingratos. Os pachalenses do baixo clero, o pessoal que fica no ponto de ônibus pelas madrugadas afora levados a erro por Maurício Esporte é Show, Ditinho Mutreta, Seringueiro Ari e André Breque, que conseguiram convencer os pobrezinhos que o serviço não era bom. Onde já se viu uma coisa dessas? Parava no meio da rua? Parava. Deixava todo mundo a pé? Deixava. Mas isso era de vez em quando, quase nunca. Só acontecia quando os ônibus saiam da garagem. E quem nunca teve problema de falta de combustível que atire o primeiro galão.

- Pois este colunista mais que social fez uma investigação de campo para avaliar o serviço da empresa contratada emergencialmente por Rei Fonsinho. E os resultados foram esplendorosos. Gente do céu, coisa incrível. Como vocês podem imaginar, obviamente, não fui andar naqueles coletivos, mas contratei o velho Nerso, ex-sapateiro conhecido de grande parte dos pachalenses, para dar uma volta naquilo que podemos classificar de "primor dos transportes". E a experiência foi maravilhosa. Nersão pegou o ônibus logo pela madrugada e antes mesmo do sol nascer já estava ajudando motorista a empurrar o ônibus. Pachalenses leitores do Pastando a Limpo. Já ouviram falar em exercício matinal? Então, já chegou no centro com os bíceps treinados. Deveria era pagar dobrado....

- Alguns motoristas que eram contratados na surdina pelos Vignólio e Sabão, passaram a alegar pane seca nos ônibus para não continuar trabalhando. Gente, onde está o tão famoso jeitinho brasileiro? Era só passar no posto e gritar: "enche o tanque!". Mas como não querem o bem do Rei Fonsinho, não passava pela cabeça dos injustos colaborar financeiramente com o transporte local. Então, ficamos assim. Acabou o diesel? Parou o ônibus. Uma verdadeira sabotagem!

- Porém, nem tudo é tristeza. Rei Fonsinho pensa em transferir o tal transporte para a Secretaria de Esportes. O programa é "Para o Alto e Avante".

- Mas por força de terceiros, injustas ameaças e reclamações infundadas, nossos queridos da Tambú decidiram deixar a cidade. Agora, segundo informações, vão trabalhar com transporte aéreo.

-Frente a crise que se instalou, fui até o Palácio Municipal para conversar com Rei Fonsinho. Encontrei o coitadinho triste, cabisbaixo, bebendo o seu vinho predileto, lá da Sicilia (o que Rei Fonsinho pronuncia Tchitchília). Entre uma garrafa e outra, nosso amado olhava pela janela de sua ampla sala, dizendo, entre prantos, que deixou o aconchego de seu pequeno lar, deixou de lado as madrugadas de Netflix para ajudar o pachalense e o que recebeu até hoje? Apenas pedradas e mais pedradas.

- Este colunista lembrou que agora a Câmara dos Lords estava comandada por um querido nosso, El Bigodon. Rei Fonsinho, com os olhos vermelhos, passou a balbuciar algumas palavras que poderiam soar até mesmo como impropérios...

- "Aquele maledeto...Io dô um braço e ele me quer uma perna....Io dô a perna, ele quer o fígado! Io do o figado, ele já olha para o rim....Io sono fodutto! Io sono fodutto!!!!".

- Tenho em meu passaporte carimbos da Bota Italiana, e posso garantir a vocês que "Io Sono Fodutto" tem a tradução de "Eu estou com sono". Possivelmente, efeito do vinho.

- Mas como diria aquele sinaleiro do Titanic, nem tudo está perdido. Numa rápida ação, Rei Fonsinho chamou o querido Nirtinho Mato e deu um rápido recado:

- E já chamou a ex-secretária de Trânsito, que demorou-se um pouco para chegar já que esperava o semáforo ficar verde, sem perceber que estava quebrado.

- Mas chegou e anunciou que resolveria o problema. Iria colocar em prática o plano "Motão". Era simples. Com uma única moto, uma famlia inteira poderia ir para o centro.

- Rei Fonsinho perguntou qual seria o custo?

- A secretária disse que o governo só entraria com a moto e o combustível....

- A prudência é amiga do medo, e este colunista mais que social preza pelas nádegas. Assim, decidi ficar em silêncio.

- Pois Rei Fonsinho disse que os culpados disso tudo eram o Seringueiro Ari e o pessoal que gosta de passear de ônibus, a chamada "turma do INPS".

- Para quem não conhece, a turma do INPS é aquele pessoal que mesmo sem dor, marca consulta. É uma dor aqui, uma dor ali, uma receita acolá.... Tudo para fugir de casa. Não basta ficar sentado no banco da praça vendo a grama crescer, tem que andar de ônibus. E sem pagar, o que é pior! Assim, não tem Tambú que aguente!

- Tudo feliz, não é mesmo? Já quebraram a Jundiá e agora a Tambú foi para o mesmo buraco.

- E o pior: Agora, Rei Fonsinho tem que deixar ônibus rodando de graça. Ele fica pela janela só vendo o povão sentando e andando de graça, sem colocar a mão no bolso.

- Gente do céu, é muito sofrimento. Rei Fonsinho olha e não tem outra reação:


- E de vez em quando, sussurra: "Io Sono Fodutto" Io Sono Fodutto".

- Deve ser o vinho....

- Well, a conversa pode estar boa, mas este colunista mais que social precisa cuidar da vida. Volto a qualquer hora nesta porcaria de página, que agora tem até grupo de WhatsApp. Fico imaginando quem tem coragem de ficar recebendo mensagem do tal Godoy.... Deusmelivre...

- Beijos no coração de todos. (Arlindo Gutemberg, pedindo táxi pelo aplicativo pois este negócio de andar de ônibus é coisa para pé rapado).

PARA ENTRAR NA PÁGINA DE ARLINDO GUTEMBERG - NO FACEBUNDA - CLIQUE AQUI. DEPOIS, CURTA E SIGA. ATUALIZAÇÕES DIÁRIAS



WhatsApp - (11) 9 9118-5007



PASSANDO A LIMPO NO FACEBOOK - CLIQUE AQUI E CURTA



http://twitter.com/arthurgodoyjr



PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES DE CATANDUVA E REGIÃO:


Tempo e temperatura


Google


Atenção!

Para ter Passando a Limpo em seu órgão de informação, ou receber material editorial de Arthur Godoy Junior, entrar em contato com a direção do site pelos telefones, e-mail ou endereços citados nesta página. Consultorias em jornalismo e estratégias de informação também podem ser adquiridas pelo mesmo método.


ENTRE EM CONTATO

(011)

99118-5007

ou...

(011) - 99118-5007 - WHATSAPP

E-mail: arthur007@uol.com.br


PODERES


Se você gostou deste site, acha que falta alguma coisa, colabore com a gente. Envie e-mail para arthur007@uol.com.br, ou telefone para (11) 99118-5007. Precisamos do seu apoio e incentivo, já que esta página é editada em São Paulo - S.P., a 385 km de Catanduva e região. Nossa intenção é informar, debater e ajudar. Mande suas informações, fotos, comentários. Ajude a manter este espaço. Agradecemos desde já. (Passando a Limpo)



Passando a Limpo é uma publicação on-line do jornalista Arthur Godoy Júnior (MTB 26.822) Endereço para contato: Rua Domingos Teotônio Jorge nr. 61 - Aricanduva - São Paulo - S.P, CEP 03904-040. Telefones: (11) 99118-5007, (0xx11) 2725-134. E-mail: arthur007@uol.com.br - Hospedado na Locaweb - São Paulo. On-line desde 19/01/2003.