www.passandoalimpo.com

Arthur Godoy Júnior

arthur007@uol.com.br

(17) 99119-2715


São Paulo, 16 de dezembro de 2017

Atualizado às 11h00

online


A notícia mais importante desta atualização

Tribunal de Justiça suspende emenda de Amarildo Davoli e diz não haver "afinidade lógica"

Todos os detalhes, logo abaixo...



PASSANDO A LIMPO NO FACEBOOK - CLIQUE AQUI E CURTA


WhatsApp - (11) 9 9118-5007


http://twitter.com/arthurgodoyjr





Luis Paulo Supi, catanduvense nato, alcançou o mais alto grau do xadrez mundial, tornando-se o 14º Grande Mestre do Brasil, ao vencer o Torneio Internacional de Rio Branco no Acre. Ele joga por São José do Rio Preto.


Quem puder ajudar....


NOTA DO PT DE CATANDUVA

O PT sempre defendeu em suas bandeiras a liberdade de expressão, o direito de cátedra dos professores e o estado laico, lutando contra qualquer tipo de preconceito, seja ele misoginia, homofobia, racismo, xenofobia, etc.

A Câmara de Catanduva acaba de aprovar um projeto inconstitucional, gestado pelo fundamentalismo religioso e que utiliza a falsa defesa da família para impor à sociedade convicções autoritárias, que reportam à época ditadura. Vivemos em um período de enorme retrocesso, no qual aproveitadores manipulam a fé da população a fim de impor projetos casuísticos, que atendem unicamente ao grupo de minorias retrógradas e intransigentes.

O voto dos vereadores do PT, a favor do projeto autoritário do governo municipal, não reflete os ideais e convicções que o partido defende nacionalmente. Ambos fizeram, democraticamente, sua opção por aquilo que julgavam ser correto, ainda que, para tanto, tenham contrariado lutas históricas de nossa legenda. Para que hoje possamos desfrutar a liberdade de expressão, muitos homens, mulheres e até bebês de colo foram torturados e assassinados pela opressão.

Os vereadores do PT, a exemplo dos demais que endossaram o projeto autoritário, deixaram-se levar pela pressão de setores fundamentalistas, que tentam impor suas crenças à sociedade, pisoteando, desta forma, uma cláusula fundamental da Constituição Federal, que, em seu artigo 5º, parágrafo IX, afirma: “IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

A cidade de Catanduva passa hoje por enormes problemas e dificuldades. Uma administração pífia e que não atende os anseios da população que carece de serviços públicos de qualidade. O projeto que acaba de ser aprovado pela Câmara não resolve qualquer um desses problemas; apenas os camufla, na medida em que tira de foco as reais questões que atingem a vida das pessoas que habitam esta cidade.

Fundamental que se busquem meios de garantir a efetiva proteção às crianças e adolescentes de nossa cidade. Nosso partido, sempre prezou essa prática, tanto que, nos anos em que administrou Catanduva, retirou as crianças das ruas e reduziu a mortalidade infantil para os menores níveis do País, similares aos do Canadá.

Contudo, para proteger nossas crianças, não é necessário censurar a arte nem constranger professores. Basta garantir aquilo que é estipulado em leis. Se o prefeito e os vereadores que aprovaram esse projeto autoritário se preocupam com o bem-estar e a segurança de nossas crianças, deveriam começar por arregaçar as mangas e acabar com o vergonhoso déficit de vagas em creches que existe em nossa cidade, por exemplo. O mato alto e os animais peçonhentos que infestam escolas e quintais são riscos muito mais reais e imediatos para meninos e meninas do que qualquer obra de arte. As filas intermináveis nos postos de saúde e na UPA, onde as pessoas têm de esperar por mais de três horas para receber atendimento, são perigos muito mais preocupantes para os pequenos catanduvenses. Com relação a esses problemas reais, não vemos o senhor prefeito e seu séquito de falsos moralistas tomar qualquer atitude.

Nossa sociedade não pode se curvar ao fundamentalismo de qualquer natureza, para não tenhamos o triste destino de nações que trilharam por esse caminho, como podemos observar tantos exemplos no Oriente Médio, por exemplo. Acreditamos que esse projeto será prontamente derrubado pela Justiça, já que se trata de uma aberração que está em total desacordo com nossa Carta Magna.

LEANDRO ALVES DE OLIVEIRA - PRESIDENTE DO PT DE CATANDUVA

Mande seu recado, sua reclamação, sugestão, ajude a sua cidade. O e-mail para contato é arthur007@uol.com.br. Você pode clicar no link acima e escrever seu comentário.


- O Tribunal de Justiça (TJ) concedeu liminar favorável à Prefeitura de Catanduva e suspendeu a emenda do vereador Amarildo Davoli ao substitutivo do Projeto de Lei n° 28/2017, aprovada pela Câmara. O projeto passou a capacidade tributária da Taxa de Coleta de Lixo à SAEC, mas a emenda obrigava a prefeitura a continuar a lançar a taxa no carnê de IPTU e a prestar contas aos vereadores dos valores arrecadados.

- Segundo o parecer do desembargador Renato Sartorelli a alteração proposta pelo Legislativo subverteu por completo o projeto de lei apresentado pelo prefeito, “não guardando qualquer afinidade lógica com a proposta original, tornando o diploma normativo totalmente inaplicável”.

- “Como pode em um projeto de lei que estabelece a delegação da capacidade tributária da Taxa de Coleta de Lixo a outrem, fazer uma emenda que pretende estabelecer exatamente o contrário?”, alegou a prefeitura em seu pedido junto ao TJ. - Na primeira análise o desembargador solicitou que a prefeitura colocasse na petição o pedido da inconstitucionalidade da emenda como um todo e não somente dos parágrafos 1º e 2º do artigo 1º – como se pretendia inicialmente.

- Na decisão foram reconhecidas violações aos artigos 5°, 33° e 150° da Constituição Paulista, bem como o risco de transtornos à administração por impor ao Executivo a obrigação de apresentar relatórios pormenorizados à Câmara.

- O fato, segundo ele, pode configurar controle externo não previsto na legislação.

- E assim, a emenda foi cassada liminarmente. O mérito será julgado, mas deve acompanhar o parecer e decisão do desembargador.

- Essa é a chamada "bola cantada"

ATUALIZAÇÃO DE 15/12/2017 - 10H00

- Atenção - Funcionários da Central de Atendimento estão sendo obrigados - através de convocação - a trabalharem de sábado. O clima é de revolta no setor.

- O início desta sexta-feira nos postos de saúde de Catanduva foi uma manhã de caos, indignação e surpresa. Apesar das promessas da gestora Mahatma Gandhi de manter funcionários e salários, o que se viu foi uma lista de dispensa preparada por chefes de setor. O resultado parcial é a relação de 80 nomes desempregados - sem receber seus direitos trabalhistas - que passarão o Natal sem parte dos salários de novembro e pagamento de 13º salário.

- De uma relação de 28 médicos, três já foram avisados que estão fora. Eles participavam de um rodízio numa escala para cobertura de férias. Como o contrato é emergencial de seis meses, e todos são considerados funcionários novos - eles foram dispensados.

- Funcionárias gestantes também foram afastadas dos postos e receberam ordem para procurar a Pró-Saúde para acertar sua situação.

- A lista de dispensa atingiu 80 profissionais de todas as áreas.

- Por outro lado, o prefeito Afonso Macchione aparece em matéria do jornal O Regional comemorando a possibilidade de economizar R$ 1 milhão/mês com as mudanças na Saúde.

- O secretário de Saúde já fala em readequação. O temor de muitos, ainda mais com as dispensas anunciadas, é o fechamento de unidades básicas de Saúde.

Os médicos trabalharão agora através de contrato de pessoa jurídica, e pelo menos três estarão sendo dispensados nesta sexta-feira.

- O Mahatma Gandhi não aceita herdar as contas da Pró-Saúde. Os funcionários estão em clima de terror.

- Os funcionários ainda não falam em greve, mas muitos não aceitam trabalhar nestas condições.

- O contrato emergencial é de três meses, prorrogável por igual período.

- O Conselho Municipal de Saúde, em sua próxima reunião, promete uma das reuniões mais quentes. Para alguns, a atual situação já vinha sendo anunciada há tempos. Há quem defenda o fim do sistema de gestão terceirizada na cidade.

- Catanduva despencou no ranking Município Verde Azul. Caiu da 3º posição para o 38º lugar. O governo alega que os parâmetros utilizados se modificaram. Os vinholistas dizem que no governo de Geraldo Vinholi o Meio Ambiente tinha outro tipo de atenção e era prioridade da administração.

- A queda de Catanduva no programa já havia sido prevista já no meio do ano. Responsáveis pelo setor chegaram a ficar indignados com a informação publicada pelo site Passando a Limpo que apontava esta tendência. O tempo demonstrou que estávamos com a razão.


O vereador Amarildo Davoli (PSB) não percebeu que seu microfone estava ligado e disse ao vereador Luis Pereira (PSDB), que o projeto do prefeito Afonso Macchione se chamava "Cura Gay", justificando logo em seguida que tinha transformado o presidente do Conselho LGBT de Catanduva, Vasco da Gama, em "macho".

O episódio aconteceu na sessão da última terça-feira, quando o projeto que criou a censura municipal a ser aplicada em artes e espetáculos foi votado e aprovado. Curiosamente, Amarildo foi um dos dois vereadores que se posicionou contra o projeto. O outro vereador foi Maurício Gouvea, presidente do PV. Eles tentaram ainda fazer com que o projeto fosse adiado através de um pedido de vistas, mas foram derrotados.

O presidente da Câmara Municipal expulsou o presidente do Conselho LGBT, Vasco da Gama, das galerias. Ari Enfermeiro chegou a gritar e ameaçou chamar a polícia. Logo em seguida à saída de Vasco da Gama, a sessão foi suspensa. E neste intervalo, Amarildo fez o comentário para Luis Pereira, que deu risada. Cidimar Porto se aproximou e também riu.

Na noite desta quarta-feira, Vasco da Gama comentou apenas - através das redes sociais - que a "piada homofóbica" teve início com Cidimar Porto que teria passado a "brincadeira" para Davoli que por sua vez a repassou para Luis Pereira.

Ao perceber que o microfone dos parlamentares estava aberto, o assessor Duda Santana apressou-se em desligar os aparelhos.

A gravação faz parte da reprodução oficial da sessão da Câmara Municipal.

Veja abaixo o vídeo obtido pelo site Passando a Limpo:


- Os vereadores de Catanduva aprovaram por 10 votos a 2 projeto de Lei que cria a censura na área de artes e educação. Pelo texto do prefeito, qualquer espetáculo que tenha acesso ao público precisa ser analisado previamente pela Secretaria Municipal da Cultura para a sua liberação.

- O texto recebeu uma emenda dos vereadores André Beck e Wilson Paraná. A emenda melhora o projeto. Diz que as atividades promovidas por particulares, que não tiverem indicação de idade apontada por órgãos oficiais, serão analisadas pela Secretaria da Cultura. Assim, os eventos realizados por particulares - com indicação de idade - não precisarão do censor.

- A votação terminou por volta das 00h30 desta quarta-feira. E foi com muita polêmica. Grupos religiosos e de artistas - além de membros da Diversidade - ocuparam as galerias da Câmara. Foi necessário restringir o acesso ao público com senha. Enquanto o tempo passava os ânimos ficavam alterados. Até o momento em que o presidente da Câmara, Ari Enfermeiro, expulsou o presidente do Conselho da Diversidade, Vasco da Gama. Veja no link abaixo as cenas do episódio.

PARA VER AS CENAS - CLIQUE AQUI - APROVEITE E CURTA A PÁGINA DE PASSANDO A LIMPO NO FACEBOOK

- Após a saída de Vasco, os vereadores tiveram um recesso de 10 minutos e logo em seguida aprovaram o projeto. Ele vai para a mesa do prefeito Afonso Macchione que poderá vetar a emenda. Mas ao contrário de outras oportunidades, desta vez o projeto deve ser sancionado com emenda e tudo.

A cada atualização, esta coluna receberá novos comentários e informações. Colabore enviando seu e-mail para arthur007@uol.com.br, com o título "Na Ponta da Pauta". Após recebermos a informação, realizaremos a checagem e publicação. Sigilo absoluto. Passando a Limpo: é você quem faz!


Opinião

Anjos e demônios...

Arthur Godoy Júnior

Na última terça-feira, 12, quase em seu final, presenciamos mais um lamentável espetáculo dentro da Câmara Municipal de Catanduva. Estava em pauta o projeto que criava a figura do censor municipal, aquele que no alto de sua cadeira tem o poder de barrar espetáculos que acreditar serem ofensivos às crianças e adolescentes. Como todos sabem, o projeto foi aprovado por 10 a 2. Possivelmente, se as partes interessadas procurarem os seus direitos, será derrubado judicialmente com uma certa facilidade. Alguns artigos ali são fora do bom senso, além de ser muito mal escrito. Parece uma colcha de retalhos.

Mas durante o dia assistimos pelas redes sociais uma verdadeira batalha. Muitos contra e a favor do projeto. Todos os tipos de argumentos foram usados e num determinado ponto ocorreu uma convocação para que os "guerreiros do senhor" ocupassem as galerias do legislativo para evitar que os satânicos do LGBT pudessem estar presentes. Uma tolice sem tamanho e fora de contexto. Aliás, aproveito a oportunidade para dizer que o pessoal LGBT entrou nessa briga de gaiato pois os verdadeiros atingidos com a censura são justamente os produtores de teatro. Em Catanduva, com exceção da parada da diversidade, as ações LGBT são discretas e não tendem para o radicalismo.

Enfim, quando começou a sessão lá estavam os "guerreiros do senhor" e o pessoal da diversidade. No centro do tablado, 13 vereadores que tinham o projeto em mãos. O problema é que pelo nível do debate e discussão na tribuna, todos tinham algo em comum: não lerem o projeto e se leram, não entenderam. O que estava em discussão ali não era se a criança poderia ou não ver um pênis ou um ato sexual pleno. Isso, as crianças já estão assistindo pela internet, na novela das 9, na sessão da tarde e no meio da rua. Ali estava sendo discutida a possibilidade do Estado intervir na opção das pessoas em assistir ou não uma produção cultural - cabendo ao censor decidir se ela poderia ser apresentada ou não. Apresentaram uma emenda que transformou o projeto em algo menos pior, mesmo assim, deram um analgésico para quem teve uma fratura exposta.

E o grande finale foi a discussão envolvendo o presidente do Conselho LGBT, Vasco da Gama, com o presidente da Câmara, Enfermeiro Ari. Descontrolado, Ari ameaçou chamar a polícia e a expulsar Vasco da Gama como se a Câmara Municipal fosse a sala de sua casa. Num determinado ponto, teve que interromper sua fala já que disse textualmente que "vocês pensam que essa é a casa de....". Claro, Ari. Era a Casa do Povo e o povo não estava errado em se manifestar. Bem melhor se manifestar assim do que arrebentar cadeiras, numa briga sem pé nem cabeça - briga essa que caiu no esquecimento de muita gente.

E a cerejinha do bolo foi a piada de Amarildo Davoli dizendo que o projeto de Afonso Macchione se chamava "Cura Gay", pois o Vasco havia "virado macho". Ironicamente, Davoli votou contra o projeto. A Câmara Municipal, mais uma vez, teve seu momento Aluisio de Azevedo, autor de "O Cortiço".

Tudo isso poderia ser evitado de uma forma simples. Para começar, tantos os "guerreiros do senhor" como os representantes LGBT deveriam pelo menos ler o projeto, encontrando assim o "x" da questão. Perceberiam que o problema era mais embaixo. Inclusive, se os próprios vereadores não decidissem partir para o populismo barato, fazer "média" com os evangélicos, católicos e similares que ali estavam - potenciais eleitores de 2020. Mas esperar que alguns vereadores catanduvenses tenham a paciência de ler um projeto ou entender o texto...é um pouquinho demais.

E como toda grande história, mesmo do anedotário nacional, tem uma moral, um recado, fica a verdade nua e crua:

Ali, nem todos eram anjos e nem todos eram demônios.

Ali, naquela noite, eram todos desinformados mesmo.

Meu nome é Arthur Godoy.

Este é o site Passando a Limpo, atualizado atualmente do interior de Minas Gerais.

E amigos leitores, fiquem bem. Onde quer que vocês estejam...


Opinião

Cidimar Porto, o Obscuro

Luiz Roberto Benatti

Obscuro, de fato, foi o apelido de Heráclito de Éfeso, de quem, um dia, Cidimar Porto irá saber, desde que a informação não se encontre em nenhum "acervo". Se estiver num acervo, ele não poderá encontrá-la por desconhecer o significado da palavra. Para Cidimar e Heráclito, a matéria básica constituinte de todas as coisas do Universo é o fogo, ou o pinga-fogo da terça insana, na Câmara. Para ele a alegria do palhaço é ver o circo pegar fogo. Cidimar padece de abulia intelectual e profissional: a primeira inapetência é óbvia por si mesma e a segunda o acomete porque ele se recusa a apresentar projetos que pudessem fazer da cidade a materialização de seus sonhos irrelevantes. Cidimar pensa e pensará sempre o melhor de si mesmo.

Heráclito afirmou que tudo flui e que, portanto, coisa alguma permanece. Para Cidimar as coisas são estáticas, ele continua a viver no tempo afonsino como se Dom Sebastião, o encapuçado, pudesse voltar para nos salvar de nós mesmos. Não entramos duas vezes no mesmo rio, disse o grego, afirmação denotativa de mudança. "Se entro", disse Heráclito, "eu e o rio não seremos mais os mesmos". Cidimar será o mesmo até o final dos tempos, situação que ele, como desleitor da Bíblia, reza para que venha logo. Agora ele se saiu com a conversa mole de que aquele que não estiver com ele estará contra a cidade. Que cidade, Cid? A sua ou a minha? Você é o dono da cidade, criatura? Cidimar deve ter lido Mateus 12:30: "Quem não está comigo, está contra mim, e aquele que comigo não colhe, espalha". Espalha-se como as palavras ocas que ele sopra na Câmara. Recomendo a ele e aos membros restantes do quarteto desafinado ler "Carta ao pai", de Franz Kafka, para descobrir os motivos subjacentes da fúria que nutrem contra os respectivos progenitores.

Agora, as articulações de gabinete, com a ajuda dos órfãos de Cristo, anunciam novo espetáculo: Catanduva, a vila que perdeu o bonde do desejo e da história.




Colunismo mais que social tem nome e sobrenome:

Arlindo Gutemberg

- Oi gente, tudo very well? Após breve descanso nos Alpes Suíços, onde este colunista mais que social foi satisfazer as lascívias de uma antiga colaboradora, eis que coloco meus santos pés nesta terra única, a Pachalândia. Terra onde pobre é pobre, onde remediado é pobre e onde rico é pobre e milionário é bilionário. Pois não basta ser milionário, tem que ostentar. Para isso é que serve a nata social local: para mostrar ao mundo que podemos ser maravilhosos apesar dos pobres e afins. Se você montou sua árvore de Natal e colocou guirlanda na porta, pronto: é pobre. Pois rico não monta árvore de Natal, manda montar. Acha que vamos perder tempo com bola na mão procurando onde estão os enfeites de Natal? Gente do céu. Nunca ouviram a máxima que aqueles que trabalham não têm tempo de ganhar dinheiro? Pensem nisso!

- Well, e a nossa Pachalândia continua sempre a mesma. Inovando em tudo. Rei Fonsinho e sua interminável máquina de boas idéias agora decidiu que espetáculos e peças teatrais precisam passar antes pelo olho de Lince de nossos administradores. O que acho mais do que justo. Não podemos admitir que nossos pequeninos pachalenses sejam expostos a todo o tipo de tortura psicológica. Dia desses uma amiga chegou a mostrar a conta de água para uma criança. Gente do céu, o menininho entrou correndo embaixo da cama e está lá até hoje. De vez em quando os pais colocam alguma comida num pratinho...

- E aquela que levou o pimpolho para assistir a uma sessão da Câmada dos Lords? O moleque saiu traumatizado, gritando: "Eu vejo pessoas mortas, a todo instante".

- O projeto de Rei Fonsinho: antes de mostrar qualquer obscenidade tem que ser analisada e liberada. Possivelmente, teremos problemas nas próprias edições do imprensa oficial já que a cada número um susto. Mas se vem do Rei Fonsinho, independente da qualidade, é boa coisa. Assim, este colunista não só apóia como acha que os descontentes precisam ser empalados em praça pública. Democracia é assim: quem gostou, gostou. Quem não gostou, pau na lomba.

- Inclusive, falando em obscenidades....o primeiro corte poderia ser no Pastando a Limpo. O Conselho Tutelar deveria olhar esta página com mais atenção. Onde estão nossas autoridades?

- Nosso Embaixador dos Bons Costumes deve ser o Amarildo Davoglio....

- Gente, vamos ser razoáveis. Se tem cara feia, se é preto, se é pobre, se tem chulé, se é bi, tri, quatri, GBLTSHTYMN e afins, para quê vai querer cultura? Um facão de cortar cana e a safra do ano já resolve tudo. Pensem nisso...

- E vamos e convenhamos, acham que o sujeito abaixo precisa de Cultura?

- Chega ao conhecimento deste colunista que Maurício Esporte é Show disse que Rei Fonsinho mentiu para todo mundo. Gente, onde já se viu tamanha afirmação? Rei Fonsinho, que sempre esteve ao lado da verdade e dos bons costumes, ser acusado de mentiroso? Se ele passou alguma informação que eventualmente esteja longe da verdade a culpa é da assessoria. E como diz Peter Pan naquele livro, o Pequeno Príncipe: "Acreditou, se danou!". Por isso, pachalenses da nata já estão se mobilizando para mandar seus funcionários descer a rua Brasil em protesto contra aqueles edis que ousaram criticar nosso amado Rei.

- Como bom colunista mais que social, vou explicar de uma vez por todas o projeto do lixo na SAECO. Funciona da seguinte maneira: o pachalense vai pagar a taxa de lixo, a taxa da limpeza do lixo, a taxa do catador do lixo, a taxa do saco de lixo, a taxa do lixo ensacado, a taxa do lixo espalhado, a taxa do lixo na rua e a taxa do lixo dentro de casa. Então, após pagar estas pequenas taxas para o Palácio Municipal, a SAECO vai lançar o carnê para o pachalense pagar a taxa do licro dentro de casa, a taxa do lixo na rua, a taxa do lixo espalhado, a taxa do lico ensacado, a taxa do saco de lixo, a taxa do catador de lixo, a taxa da limpeza de lico e a taxa de lixo. O pachalense terá a oportunidade de colaborar por duas vezes. Gente, isso é amor no coração. É social. É Natal!

- Vocês precisam pensar naquilo que o Rei Fonsinho precisa passar. Acreditem, não é fácil. Olhem a foto abaixo, com nosso Rei ao lado daquele que macula a nossa existência:

- Depois deste encontro, faltou álcool na região. Até mesmo as usinas colaboraram, mas não foi suficiente.

- Aproveitando o ensejo, quero refutar com todas as letras as falas de Maurício Esporte é Show sugerindo que meu amado "tem um caso" com o secretário de Esportes. Onde vamos parar? O mundo está acabando!!! Rei Fonsinho, que em sua juventude passou o rodo em meia pachalândia, até que decidiu subir ao altar da Matriz, não pode passar por isso. Mais uma vez, a nata mais que social local prepara manifesto contra falas inconsequentes e mentirosas. Rei Fonsinho é espada!!!!

- Só de raiva ele vai aumentar mais um imposto.

- E chegou o Natal. E os nossos queridos pachalenses vestindo a roupinha vermelha, de bicicleta em punho, passeando pela cidade. Cindimar Ponto fica emocionado. Diz que voltou a magia. As luzes de Natal voltaram! Well, aproveitando que as luzes de Natal voltaram, momento de informar que teremos um pequeno aumento na conta de energia elétrica. Agradecemos a atenção!

- Este colunista mais que social já está com sua árvore...

- Em dólar, pois o Real é coisa de pobre.

- Gente, atendendo a pedido do Processado Godoy, do Pastando a Limpo, estarei, a partir desta segunda, atualizando diariamente minha página no Facebunda. Mas os incautos, os burrinhos locais podem perguntar: "mas Arlindo, como posso te seguir no Facebunda?". Well, é simples. Entra no link abaixo, vai para a página. Depois, clica em curtir. Vocês passarão a visulizar minhas postagens. Teremos de tudo um pouco. Fotos, videos, arlindadas, pensamentos do dia, participação dos leitores, e muito mais. Vai perder? Azar o seu. Como disse Monteiro Lobado no livro Memórias do Cárcere: "Não leu, perdeu!".

- Beijos no coração de todos.

(Arlindo Gutemberg, ajudando Rei Fonsinho a comprar mais álcool para desinfetar depois do encontro com o Processado Godoy)

PARA ENTRAR NA PÁGINA DE ARLINDO GUTEMBERG - NO FACEBUNDA - CLIQUE AQUI. DEPOIS, CURTA E SIGA. ATUALIZAÇÕES DIÁRIAS


PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES DE CATANDUVA E REGIÃO:




Tempo e temperatura


Google


Atenção!

Para ter Passando a Limpo em seu órgão de informação, ou receber material editorial de Arthur Godoy Junior, entrar em contato com a direção do site pelos telefones, e-mail ou endereços citados nesta página. Consultorias em jornalismo e estratégias de informação também podem ser adquiridas pelo mesmo método.


ENTRE EM CONTATO

(017)

99119-2715

- Não precisa discar código de operadora. É direto!

ou...

(011) - 99118-5007

(011) - 2725-1346

E-mail: arthur007@uol.com.br


PODERES


Se você gostou deste site, acha que falta alguma coisa, colabore com a gente. Envie e-mail para arthur007@uol.com.br, ou telefone para (17) 99119-2715. Precisamos do seu apoio e incentivo, já que esta página é editada em São Paulo - S.P., a 385 km de Catanduva e região. Nossa intenção é informar, debater e ajudar. Mande suas informações, fotos, comentários. Ajude a manter este espaço. Agradecemos desde já. (Passando a Limpo)



Passando a Limpo é uma publicação on-line do jornalista Arthur Godoy Júnior (MTB 26.822) Endereço para contato: Rua Domingos Teotônio Jorge nr. 61 - Aricanduva - São Paulo - S.P, CEP 03904-040. Telefones: (17) 99119-2715, (0xx11) 2725-1346 e (0xx11) 99118-5007. E-mail: arthur007@uol.com.br - Hospedado na Locaweb - São Paulo. On-line desde 19/01/2003.