www.passandoalimpo.com

Arthur Godoy Júnior

arthur007@uol.com.br

(17) 99119-2715


São Paulo, 26 de junho de 2017

Atualizado às 10h30

online


WhatsApp - (11) 9 9118-5007




Após seis meses de governo, como você avalia a administração Afonso Macchione?
Ótimo
Bom
Regular
Ruim
Péssimo


A notícia mais importante desta atualização

Enfermeiro Ari recua, fala em "áudio editado" e inocenta Macchione

Leia logo abaixo...


Lotes comerciais

Enfermeiro Ari recua, fala em "áudio editado" e inocenta Macchione

Poucos dias após ter declarado em manifestação de futuros moradores do Nova Catanduva II que a situação estava emperrada pelo fato do "Afonso querer os lotes comerciais", o presidente do Legislativo, Enfermeiro Ari voltou atrás. O áudio contendo a fala do vereador percorreu as redes sociais e foi divulgado em primeira mão pelo site Passando a Limpo.

A promotoria pública, através de ofício da Ouvidoria do Estado, instauroum uma investigação para apurar o caso. Tanto o Enfermeiro Ari quanto o prefeito Afonso Macchione deverão ser chamados. Mas antes mesmo de ser convocado, o presidente da Câmara, recuou, sugeriu que o áudio estaria editado e inocentou o prefeito.

"Quando falo o Afonso me refiro ao Afonso prefeito, instituição, e não que ele queria os lotes para ele. Vou mostrar para o promotor que não houve má-fé nem minha e nem do Afonso que queria as áreas dos lotes comerciais, que seriam melhores, para a construção de creches, escolas, essas coisas". Enfermeiro Ari informou ainda que o áudio teria sido editado.

Na gravação, o presidente do legislativo diz textualmente: "o que o Afonso quer, e ninguém fala, ninguém fala, na realidade, são os lotes comerciais. A briga, vocês estão sendo usados pelos lotes comerciais". Uma moradora pergunta para o presidente da Câmara, onde ficam os lotes comerciais. A partir deste trecho, o áudio é interrompido.

No dia seguinte à divulgação da fala do vereador, o prefeito Afonso Macchione fez um acordo com a empreiteira responsável pelo Nova Catanduva II. A empresa irá disponibilizar R$ 1 milhão para que a prefeitura realize obras de acesso ao novo bairro.

Mas há duas semanas, em entrevista à Radio Difusora, o prefeito tinha um discurso bem diferente.

"Não adianta a gente colocar mais 600 famílias lá se não temos escolas para as crianças, não adianta colocar mais 600 famílias se só temos um acesso único. E outra situação. As áreas que deixaram para a prefeitura, as áreas institucionais para construir escolas, as áreas verdes são péssimas. É buraco, é brejo, não tem a mínima condição de a prefeitura levar um empreendimento.".

"Nessa semana fizemos uma reunião, apontando quais são as exigências que queremos. Estou indo para São Paulo na segunda-feira, dia 12, tentar buscar recursos para uma escola, mas estamos exigindo isso tudo da construtora. A Prefeitura deveria ter se planejado melhor e não ter colocado as pessoas lá sem uma infraestrutura. É uma situação revoltante. O povo não merece isso. Eu estou recebendo críticas porque estou defendendo a população. Eu vou buscar o máximo possível para minimizar os transtornos para os moradores. Quando será liberado? Quando a empresa sentar com o promotor e fazer um documento jurídico que nos dê respaldo que ela irá tomar as providencias. Aí liberamos. Fora isso não tem o que fazer". , disse o prefeito.


Colunismo mais que social tem nome e sobrenome:

Arlindo Gutemberg

- Olá nata social! Olá, pessoas de bens! E também "olá" aos infelizes que gostam de ler o Pastando a Limpo. O que a gente pode fazer? Uns gostam dos olhos, outros da ramela. Mas como colunista mais que social sou obrigado a escrever para todas as camadas de Pachalenses. Mas encarecidamente, peço um favor. Se o seu carro não for uma Mercedes, um Audi, ou pelo menos um importadinho, pule este espaço pois esta coluna é voltada apenas para aqueles que têm bom gosto, fino paladar e saldo bancário. O resto tem mais é que se contentar com as fofocas irrelevantes do editor desta página.

- Com este preâmbulo simpático, o colunismo mais que social está no ar!

- A semana começou com mais uma daquelas fofocas que servem apenas para saciar os pachalenses que vivem do mais puro sangue e não pensam em nossa comunidade. Esquecem que a Pachalândia é uma terra de pessoas de "bens", desde os tempos do Coronel Castilho e seus jagunços. Pessoas que não se importam de acordar cedo, desde que alguém trabalhe por eles. Lembro com lágrimas nos olhos aqueles caminhões de cortadores de cano, que cruzavam os bairros de nossa comunidade. A alegria estampada nos olhos daqueles pés rapados, principalmente quando voltavam no final do dia, todos sujos de cana. Comiam suas marmitas com sofreguidão, saboreando os pés de frango como se fossem manjar de deuses. Tempos bons que não voltam mais...

- E a fofoca saiu no Pastando a Limpo. Eis que os registros da história marcam que Ari Seringueiro estava numa dessas reuniões de sem teto, quando emocionado com o cheiro dos pachalenses, disse uma frase quase enigmática: "o Afonso, o que ninguém fala, o que ninguém falar, quer os terrenos comerciais. A briga toda é pelos terrenos comerciais, vocês estão sendo usados". Eis que com a maldita digitalização e o mundo globalizado, vemos que as pessoas não têm casa, mas têm celular. E alguém gravou toda essa história. Pronto! Já foi suficiente para a imprensa marrom destilar seu veneno pelos quatro cantos de nossa pacata zona rural.

- Mas nada como o tempo para esclarecer os fatos, muitas vezes obscurecidos por editores de site de terceira categoria - como é o caso do Pastando a Limpo. Vamos por partes. Onde está escrito que Ari Seringueiro estava falando do nosso amado e aclamado Rei Fonsinho? Vocês tem idéia de quantos "Afonsos" caminham diariamente pela Pachalândia? Centenas, talvez milhares. Está claro que Ari Seringueiro estava se referindo ao "Afonso da Mercearia", conhecido comerciante pelos lados do Solo Sagrado. Tal comerciante estava querendo implantar um mini mercado no Nova Pachalândia 2, e por isso estaria movendo seus pauzinhos para atrapalhar aquilo que o Rei Fonsinho mais desejava na face da terra: "o habite-se" para o povão.

- Será que é necessário o colunismo mais que social se manifestar para que os fatos reais venham à tona? Tanto é que tão logo foi possível, Rei Fonsinho chamou todo mundo para a conversa, e o pessoal da empresa Parque Antártica aceitou em pagar o resgate, ops, a contribuição de R$ 1 milhão (menos que o prêmio de um Big Brother), para que o Nova Pachalândia 2 fosse entregue aos pachalenses que estavam pagando aluguel, condomínio, prestação da casa e até a fatura da Sky. Com um sorriso nos olhos, Rei Fonsinho reuniu todo mundo no gabinete do Palácio Municipal e anunciou a boa nova.

- Flagrante da alegria de Rei Fonsinho ao anunciar o acordo:

- A alegria foi tanta que mais um pouco ele reunia os amigos em um de seus empreendimentos - cemitério - para a comemoração.

- Agora, provavelmente, os pachalenses que estavam reclamando de falta de casa começarão a reclamar de falta de escola, creche, posto de saúde, segurança, luz e água. Como já dizia o meu tio Arquimedes: "o povo só não reclama quando está morto". Tenho que concordar com estas sábias e eternas palavras.

- Falando no tio Arquimedes, lembro de sua participação corajosa e ímpar na Revolução de 32. Foi um de nossos arautos, e se afastou do combate apenas quando veio a receber dois tiros - um em cada nádega. Mesmo assim, foi retirado do campo de batalha à força, gritando pelo nome de minha tia Quitéria. "Canhão por canhão, prefiro os daqui". Eles se amaram até que a morte os separou, quando tio Arquimedes - acidentalmente - deu dezoito tiros na amada Quitéria. Inconsolável, foi encontrado bêbado num dos bordéis da cidade. Mas isso é história para outra coluna...

- Voltando para os tempos atuais, vejo que o Pastando a Limpo está fazendo enquete para saber se o reinado de Rei Fonsinho está Ótimo, Bom ou Maravilhoso. Gente do céu, coloquem a mão na consciência. Enquete do Pastando a Limpo é como pesquisa do Vignólio. Antes de fazer, o pesquisador já pergunta se quer que ganhe de muito ou de pouco. Diz a lenda urbana que os únicos que acreditaram, um dia, na pesquisa encomendada pelo Vignólio foi a família que edita O Passional. Hoje, nem eles mais...

- Pois todos nós sabemos que Rei Fonsinho está revolucionando a arte de governar a nossa Pachalândia. Com seu jeito próprio de "não estou nem aí", nosso amado vai caminhando livre, leve e solto, como se não tivesse nada a ver com que alguns pachalenses estão reclamando. Isso, senhores, é experiência administrativa - também conhecida como "no final eu faço uma praça e todo mundo aplaude". Quem conhece os pachalenses sabe o que está fazendo...

- E nesta semana, pessoas de bens desta cidade - Rei Fonsinho, Cindimar Ponto e André Breque - se reuniram para discutirem as comemorações do Centenário da Pachalândia. Coisa linda de se ver, emoção à flor da pele.

- O Passando a Ferro conseguiu uma foto do momento em que todos se emocionavam com o evento:

- Rei Fonsinho explicou a coisa de uma maneira simples: "a gente faz a festa, mas quem vai pagar serão vocês". O público vibrou!

- Como era de se esperar, detratores já começaram a ventilar nas tais redes sociais (colunismo social de pobre) que a Pachalândia não tinha nada para comemorar. Gente do céu, o que é isso? Temos tanta coisa boa, que só não coloco aqui pois o espaço seria pequeno. Será que estão reclamando de mato? Falta de luz? Buracos? E desde quando isso foi motivo de reclamação? Vamos colocar a mão na consciência e ter a certeza que 100 anos se comemora uma vez. O pessoal comemora até 100 anos da morte de fulano e beltrano e não vamos comemorar 100 anos da Pachalândia? Pois este colunista mais que social defende que Rei Fonsinho deve gastar o que for necessário e possível para alegrar a nata social. Como o povo não sabe a importância da data, que fique nas arquibancadas, agitando bandeirinhas e batendo palmas...

- Rei Fonsinho está pensando em coisas simples. Talvez, pintar a rua Brasil de ponta a ponta, construir uma ponte entre o Solo Sagrado e o Imperial, e uma banda marcial com oito mil integrantes.

- André Breque já avisou que está pensando em dar uma mão de tinta na Matriz. Acho justo, pois já faz quase cinco anos que não pintam o local...

- Claro que para estes gastos a mais, que não estavam previstos em nosso orçamento, teremos que fazer alguns cortes. Começando pelo plano de saúde dos funcionários. Mas eles entenderão que é por uma boa razão. Gente do céu, são 100 anos, pô!

- O colunismo social traz uma boa notícia para os pachalenses que estão sem luz, no buraco e no mato. A pressão de Rei Fonsinho está 12 por 8.

- Rei Fonsinho me consultou sobre alguma idéia para se aplicar na festa dos 100 anos. Sugeri a Esquadrilha da Fumaça, jogando veneno contra o Aedes. Poderíamos juntar o útil com o bonito, e ainda economizar algum. Com lágrimas nos olhos, nosso amado me abraçou...

- Na realidade, iria sugerir gás pimenta, mas percebi que a idéia poderia pegar mal...

- Aguardo com ansiedade que este Pastando a Limpo pare com esta idéia inconveniente e absurda de publicar a relação dos integrantes do Frente Cidadã. Onde já se viu uma coisa dessas? O que isso traz de benefício aos nossos pachalenses? Absolutamente nada. Será que até para trabalhar, nossos necessitados precisam enfrentar dificuldades? Se o programa é social, tem que estar voltado para a nata social, ou não?

- Este colunista, nesta semana, esteve acompanhado o cotidiano de um de nossos trabalhadores da Frente Cidadã. E acreditem, é de doer o coração. Ninguém merecia passar por isso...

- Tem gente usando o próprio carro para ir trabalhar. Pode uma coisa dessas?

- Tudo pelo amor à Pachalândia...

- Well, well, well, a conversa está boa, mas o Processado Godoy não me paga o suficiente para muitas linhas. Aliás, o coitado tem que pegar empréstimo no banco cada vez que precisa pagar o meu cachê. Já avisei que estou estudando convites de O Passional, do Marcelo Pai Ta Né, e da TV Tenho. Se bobear, me mando daqui....

- Meus beijos no coração vão para a Cidinha da Auto Escola, lá na rua Rio de Janeiro. Ela e o Paulão do Pastel são um casal para lá de especial. Apesar de serem pobres, categoria não apreciada por este colunista mais que social, são gente de bem. (Arlindo Gutemberg, com suas 18 odaliscas, preparando uma noitada daquelas).

PARA ACESSAR A PÁGINA DE ARLINDO GUTEMBERG NO FACEBUNDA - CLIQUE AQUI OU NO LINK ACIMA -


FRENTE

CIDADÃ

A relação de todos os contratados pelo Programa Social Frente Cidadã.

O objetivo do Programa Frente Cidadã é a qualificação para o trabalho, com a participação temporária e caráter assistencial. Resgatar os vínculos sociais e produtivos de trabalhadores de ambos os sexos, desempregados e a promoção de ações articuladas ao Poder Público e das entidades assistenciais do nosso município.

As inscrições são abertas para homens e mulheres, e para fazer é necessário responder alguns quesitos: Ser maior de 18 anos; residir no município por pelos menos dois anos; não ser beneficiado pelo seguro desemprego, aposentadoria, pensão, idoso/deficiente; para jovens em liberdade assistida; para portadores de deficiência.

Veja abaixo os contratados - LETRAS C e D

Calebe Ferreira da Silva

Carlos Alberto dos Santos

Carlos Alexandre Dias

Caroliny Fragoso Silva

Cirso José de Souza

Claudemir Rosendo da Silva

Claudia de Souza Lima

Claudio Siqueira de Moraes

Cleber Fernando Jesus

Cristiano Regina Martins

Cristiano Gallo

Daisy Bezerraq dos Santos Bassanetti

Daniel David dos Santos

Danieli Maiara Bras Mazoca

Debora Ester de Oliveira Paion

Deivid Roberto Dantas

Denise da Costa Oliveira

Dirceu Costa

Dorival Fernandes da Conceição

Douglas Fernando de Oliveira Canhado

Dulce Maria de Souza

Março de 2017


Boa tarde pessoal...Suposta negligência médica na UPA.

Na segunda feira no período da tarde a jovem S.R., de 33 anos compareceu no UPA queixando-se de fortes dores no peito e formigamento no braço, foi atendida por um médico, e sem a realização de qualquer exame disse que estava de alta e que era uma crise nervosa, mesmo assim a paciente pediu para ser transferida ao hospital Padre Albino para a realização de exames detalhados, e segundo alegação da UPA sua transferência não seria possível pois o hospital estava lotado.

Na terça feira por volta das 12 horas a mesma começou passar mal novamente e acionou a SAMU e no caminho para a UPA veio a Óbito por infarto fulminante. Ainda por cima sabendo da besteira a UPA colocou no Óbito que a causa da morte era desconhecida, isso com certeza foi feito para tirar a responsabilidade das costas. Agora se o médico tivesse tido um pouco de boa vontade e realizado exame mas complexos com certeza essa jovem estaria com a família e nada disso teria acontecido.

Gostaria muito de saber o que acontece com UPA e Hospital Padre Albino, um hospital que atendia 80% das pessoas pelo SUS e hoje somente 20%, qual a máfia disso, enquanto isso pessoas morrendo pela falta de atendimento adequado e médicos competentes, qualificados e principalmente que tenham amor pela profissão e pela vida.

Esse caso tem que ser entregue a promotoria pública para investigações, se deixar impune será apenas mais um...

LEITOR

Mande seu recado, sua reclamação, sugestão, ajude a sua cidade. O e-mail para contato é arthur007@uol.com.br. Você pode clicar no link acima e escrever seu comentário.


AVALIAÇÃO - VEREADORES - 1º SEMESTRE 2017

Para você, leitor do site Passando a Limpo, qual é a nota que nossos vereadores merecem neste primeiro semestre? Qual foi o melhor? Qual foi o pior? Quem foi a grande reveleção e decepção?

Poderão ser dadas notas de 0 a 10, sendo que todos os vereadores deverão receber notas. Vamos aceitar via Facebook (in box) - preservando os nomes dos amigos que enviarem notas, bem como whatsapp (11) 99118-5007, e-mail arthur007@uol.com.br.

Quem mandar por e-mail deverá indicar no titulo "vereadores".

Por inbox já saberemos do que se trata.

A contabilização das notas será atualizada diariamente no site Passando a Limpo, com publicação no Facebook.

O resultado final será publicado no dia 02 de julho, domingo.

Notando a existência de tentativa de fraude ou movimento pró ou contra algum vereador, as notas não serão consideradas.

1º - Maurício Esporte Show - 147

2º - André Beck - 143

3º - Luis Pereira - 133

4º -Nilton Cândido - 130

5º - Gaúcho - 126

6º - Amarildo Davoli - 124

7º - Onofre Baraldi - 113

8º - Ditinho Muleta - 106

9º - Enfermeiro Ari - 97

10º - Wilson Paraná - 88

11º - Daniel Palmeira - 85

12º - Ivan Bernardi - 80

13º - Cidmar Porto - 79

Parcial do dia 26/06/2017 - 10h40

PARA VOTAR -

POR E-MAIL: arthur007@uol.com.br

POR WHATSAPP - (11) 99118-5007

FACEBOOK - INBOX


Comerciante ingressa com ação popular de R$ 1 milhão contra Macchione; para promotoria, justiça deve suspender licitação confusa

O comerciante André Renato da Silva entrou com uma ação popular contra o prefeito Afonso Macchione denunciando "manobras obscuras" que transformaram a licitação para concessão de box da Estação Rodoviária em uma confusão. Na ação, ele pede uma liminar que suspenda a licitação - alegando, entre outros motivos, que a situação poderá causar danos ao erário público. A promotoria pública de Catanduva já deu parecer favorável à liminar. O juiz que cuidará do caso ainda não se manifestou.

Em 2015, a prefeitura de Catanduva iniciou a reforma da Rodoviária, com previsão de término em junho de 2016. Neste interím, foi lançado um processo licitatório para a concessão dos boxes comerciais que irão funcionar no local. Ocorre que antes mesmo da obra estar concluída, teve início esta licitação. Porém, o prazo estourou e até hoje a rodoviária está praticamente sem condições de uso - com problemas para os passageiros que embarcam e desembarcam no local. Segundo leitores do Passando a Limpo, as obras ali estão praticamente paradas. A própria construção e reforma dos boxes estão lentas e inacabadas.

Até aí, o problema é da ex-administração Geraldo Vinholi.

Porém, a situação se complicou quando Macchione decidiu revogar a licitação. Alegando que o processo estava sub-júdice, o atual prefeito revogou a licitação, deixando os comerciantes que participavam do certame sem maiores explicações. Mas a coisa ficou ainda mais séria quando após algum tempo, sem motivo aparente, o próprio prefeito "revogou a revogação", comunicando esta situação aos comerciantes. Esta "revogação da revogação" foi citada pelo comerciante e pela própria promotoria pública como uma situação única e irregular. Além disso, da primeira revogação - quando alegou problema judiciais - até a revogação da revogação, nenhum fato novo foi apresentado que justificasse esta medida. Além disso, a prefeitura sequer teria apresentado qual processo judicial teria motivado a revogação da licitação. Revogação esta que dias depois...foi revogada.

Com esta sequência de revogações, o comerciante se sentiu prejudicado, apontou toda esta confusão em sua ação e pediu uma liminar que suspenda a licitação, até que o mérito de sua ação seja julgado. Na ação popular, pelos danos sofridos, o requerente pede R$ 1 milhão. A princípio o departamento jurídico da prefeitura surgia como requerido, mas para o promotor público, o único que deve responder à ação é o prefeito Afonso Macchione, já que o setor jurídico teria apenas obedecido ordens diretas do chefe do Executivo.

No processo, foram anexados documentos, cópias da licitação, anotações sobre a primeira revogação e ofício de comunicado da prefeitura, revogando a revogação. Foram anexados ainda fotos da situação do local.

Como o caso ficou sem pé nem cabeça, a continuação da própria licitação poderia acarretar uma sequência de ações judiciais, que causariam danos ao erário municipal. Por isso, a medida liminar.

A prefeitura ainda não teria sido notificada.


Justiça

Ministério Público começa investigação sobre história de "Macchione e os terrenos comerciais"

O Ministério Público de Catanduva investigará a fala do presidente da Câmara Municipal, Enfermeiro Ari, que no último domingo declarou para os futuros moradorores do Nova Catanduva II, que o que estava em jogo seria a intenção do prefeito Afonso Macchione obter os terrenos comerciais do empreendimento. A promotoria catanduvense recebeu ofício da Ouvidoria do Estado de São Paulo sobre o assunto, instaurando de imediato a investigação. Na próxima semana as primeiras testemunhas começarão a ser ouvidas. O prefeito Afonso Macchione, os empresários da Pacaembu, responsável pelo empreendimento, além do próprio Enfermeiro Ari deverão ser chamados.

A intenção é apurar se entre as exigências da prefeitura para a liberação do Nova Catanduva II existiria alguma, nos bastidores, que beneficiasse pessoalmente o prefeito. Logo após o anúncio da fala de Ari Enfermeiro, que foi gravada, Macchione se reuniu com a promotoria pública da Habitação, os diretores da Pacaembu e anunciou um acordo em que a empresa repassará R$ 1 milhão para o governo para obras serem realizadas na entrada do Nova Catanduva II. Nesta quinta-feira, a Pacaembu e o prefeito Afonso Macchione assinaram um Termo de Ajuste de Conduta (TAC). O "Habite-se" deverá ser liberado nos próximos dias.

A princípio a prefeitura anunciou que não iria liberar o empreendimento sem a construção de uma escola, uma creche, um posto de saúde e obras viárias que desafogassem o trânsito na entrada do conjunto.

A promotoria deverá conduzir as investigação com a máxima urgência. Caso alguma irregularidade seja constatada, a Câmara Municipal poderá ser comunicada. Publicamente, nem o prefeito Afonso Macchione e muito menos o presidente da Câmara Municipal se pronunciaram sobre o episódio.


Vamos fazer festa?

Prefeito Afonso Macchione, Cidimar Porto e André Becker comandam mesa onde se discute com a sociedade catanduvense a preparação de festa do Centenário de Catanduva.


O povo já está pronto para a festa...


Na falta do que fazer...


Opinião

Efeito lava a jato

Arthur Godoy Júnior

O amigo leitor, a amiga leitora, podem não ter notado. Mas um problema que se arrastava há meses, até mesmo com matéria nos principais jornais da TV Tem, foi resolvido em duas horas e meia de conversa e a liberação de R$ 1 milhão por parte da construtora Pacaembu. O resumo é mais ou menos simples: a construtora realizou um empreendimento, tudo caminhava quase dentro dos conformes na última administração, Macchione assumiu, criou um grupo de estudo de loteamentos (ou algo parecido), e a partir daí os futuros moradores passaram a ter que esperar a boa vontade do poder público para o "habite-se".

As justificativas dadas pela prefeitura foram várias: falta de escola, de creche, de posto de saúde, dificuldade de acesso ao bairro, trânsito que poderá ficar caótico, terreno inapropriado para a construção dos estabelecimentos de ensino e saúde, etc e tal. Enquanto isso, o povão completamente ignorado, numa conversa que se arrastava. A prefeitura fazia um silêncio quase sepulcral, tentando empurrar a situação para a Pacaembu, que por sua vez lavava as mãos. Sabe-se o motivo colocaram o Ministério Público no meio da história, e a novela parecia não ter fim...

Eis que no último domingo, o presidente da Câmara, Ari Enfermeiro, e o vereador Wilson Paraná (PT) foram fazer um pouco de política lá na manifestação dos moradores. Entre manifestações de apoio, promessas de pressionar a prefeitura - sem ter o poder para isso - o presidente do legislativo ficou empolgado e disse literalmente que "o Afonso quer os terrenos comerciais, vocês estão sendo usados, a guerra é pelos terrenos comerciais". Como estamos num mundo digitalizado, globalizado, na mesma tarde recebi o áudio. E num pulo, já havia a divulgação da fala de Enfermeiro Ari.

No dia seguinte, o mundo político catanduvense acordou com algumas perguntas. Macchione iria rebater a fala do presidente da Câmara? Enfermeiro Ari manteria o que disse? O que significava exatamente a fala de Ari?

O resultado é que todo mundo silenciou, e repentinamente, Macchione anunciou uma coletiva para tratar sobre a questão do Nova Catanduva II. E foi atrás do promotor, e se encontrou com representantes da empreiteira, e desmarcou coletiva. No início da noite, anunciou que a Pacaembu iria conceder uma quantia de R$ 1 milhão (ninharia para a Pacaembu e uma gota no oceano para a prefeitura), para obras nas proximidades do empreendimento. Anunciou ainda que a papelada para a liberação do conjunto seria realizada.

Resumindo: duas horas de conversa, tudo resolvido. Esqueceram escola, creche, acesso, terrenos, etc e tal. Sobre a fala de Ari Enfermeiro, passaram longe. Inclusive, o próprio Ari não quis se estender no assunto, pois falar e provar são duas coisas completamente distintas.

O enredo desta história fica a cargo de vocês, amigos leitores. O importante é que os moradores receberão suas casas. Eu acredito em que época de Lava a Jato, este tipo de denúncia (favorecimento pessoal, empreiteiro, etc e tal), não faz bem para ninguém. Os tempos são outros e aos poucos, nossos administradores começam a perceber isso.

Quando a batata assa, o cozinheiro sai correndo...

Meu nome é Arthur Godoy.

Este é o site Passando a Limpo, atualizado diretamente de São Paulo.

E amigos leitores, fiquem bem. Onde quer que vocês estejam...


Visitando

No início da noite de ontem, terça-feira, estive visitando Julinho Ramos, assessor especial na Fundação para Desenvolvimento da Educação (FDE), onde encontrei ainda Fernando Galhardo. Uma ótima conversa sobre Catanduva, política, bastidores, e projetos em comum. Deixo meu abraço a ambos. (AGJ)

PS - Se chegar o frio que o Julinho está esperando, São Paulo vai ser tomada pela neve....


Habitação

Governo e Pacaembu anunciam acordo; empresa repassará R$ 1 milhão e prefeitura assinará o "habite-se"

A prefeitura municipal de Catanduva e a empresa Pacaembú chegaram a um acordo. Após duas horas de reuniões, em que participaram representantes de futuros moradores do Nova Catanduva II, a empresa se dispôs a repassar ao município a quantia de R$ 1 milhão - que será investigada no acesso ao novo bairro. O anúncio foi realizado pelo prefeito Afonso Macchione, moradores e diretores da empreiteira.

O prefeito informou que a Pacaembu "entendeu as dificuldades financeiras da prefeitura", e que a partir de agora é correr com a documentação para liberar as casas para os moradores. No anúncio não foram citados os problemas anteriormente apontados pela administração, como: falta de escolas, creches, postos de saúde e a qualidade e localização dos terrenos que estão à disposição da prefeitura para a construção das benfeitorias.

A tarde foi movimentada. Foi anunciada uma coletiva para a imprensa, marcada às 16h30. O prefeito esteve no gabinete da promotoria, voltando para a prefeitura por volta das 16h00. Ali, iniciou a reunião com os diretores da empreiteira e os moradores. A coletiva foi desmarcada. Por volta das 20h00, fez o anúncio oficial do acordo. Macchione disse que estava "feliz" com a solução encontrada.

Não há previsão de quando os moradores poderão ocupar as casas.

Durante o dia, havia a expectativa de uma manifestação pública do prefeito ou do presidente da Câmara, Ari Enfermeiro, sobre a gravação divulgada pelo site Passando a Limpo onde o vereador dizia que a população estava sendo usada pelo prefeito, que desejava os "lotes comerciais". Macchione e Ari Enfermeiro se calaram.


Habitação

Em manifesto de moradores, Enfermeiro Ari denuncia que "Afonso quer os lotes comerciais" do Nova Catanduva II

O Conjunto Residencial Nova Catanduva II não está sendo liberado para uso dos moradores pelo fato do prefeito Afonso Macchione desejar os lotes comerciais do empreendimento. A denúncia foi feita na tarde deste domingo, pelo presidente da Câmara Municipal, Enfermeiro Ari, em encontro com futuros moradores do local que realizavam um manifesto pedindo a liberação do conjunto. A prefeitura alega que a Construtora Pacaembu teria que fazer mais uma entrada para o bairro, além de melhoramentos com a construção de escolas e creches.

Em áudio obtido pelo site Passando a Limpo, o presidente do legislativo diz textualmente que "o que o Afonso quer, e ninguém fala, ninguém fala, na realidade, são os lotes comerciais. A briga, vocês estão sendo usados pelos lotes comerciais". Uma moradora pergunta para o presidente da Câmara, onde ficam os lotes comerciais. A partir deste trecho, o áudio é interrompido.

A denúncia deverá fazer a situação política pegar fogo. Há pelo menos 40 dias que as reclamações de moradores que não estão podendo ocupar suas casas estão aumentando. Tendo que pagar aluguel, e taxas, além dos valores do próprio empreendimentos, muitas famílias estão se dizendo prejudicadas. Muitos catanduvenses não estão conseguindo pagar todas as contas.

O presidente da Câmara esteve acompanhado do vereador Wilson Paraná (PT). Coincidentemente, há duas semanas ambos estavam correndo o risco de serem cassados numa articulação da base aliada do prefeito no legislativo.

A Pacaembu disse que não existe no projeto original qualquer obrigação de se criar uma nova entrada para o bairro ou construção de obras de infra-estrutura que não fossem a de saneamento básico.

Caso a denúncia de Enfermeiro Ari for confirmada, o prefeito Afonso Macchione poderá sofrer um processo de impeachment.


Descendo a ladeira

Números indicam queda de Catanduva no ranking Município VerdeAzul

Após conquistar o 4º lugar no ranking Município VerdeAzul, no ano de 2016, o município de Catanduva poderá ver sua classificação despencar. Números obtidos pelo site Passando a Limpo e que definem a primeira etapa de classificação demonstram que a cidade não vem obtendo índices que a colocam como uma das favoritas a ficar entre as cinco primeiras do Estado. Setores do governo municipal alegam que os critérios mudaram e é prematuro indicar a situação catanduvense. Mas os números de planilhas, de todos os itens avaliados, rebatem esta alegação. Passando a Limpo apurou cada item e a nota catanduvense.

O programa Município VerdeAzul foi lançado em 2007 pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, e tem o propósito de medir e apoiar a eficiência da gestão ambiental com a descentralização e valorização da agenda ambiental nos municípios.

Segundo o governo, o principal objetivo é estimular e auxiliar as prefeituras paulistas na elaboração e execução de suas políticas públicas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do estado de São Paulo.

A participação do município no PMVA é um dos critérios de avaliação para a liberação de recursos do Fundo Estadual de Controle da Poluição – FECOP.

Os números conseguidos por Passando a Limpo são oficiais, e internos da Secretaria do Meio Ambiente. O governo municipal chegou a duvidar da existência destes números ou da fonte em que foram coletados.

Veja abaixo todos os itens e a situação de Catanduva:

Esgoto Tratado - 10º lugar com 7,65 pontos. (Em primeiro lugar ficou Pradópolis com 10 pontos)

Resíduos Sólidos - 24º lugar com 7,06 pontos. (Em primeiro lugar ficou Sertãozinho com 10 pontos)

Biodiversidade - 78º lugar com 1,36 pontos. (Em primeiro lugar ficou Bertioga com 7,75 pontos)

Município Sustentável - 68º lugar com 3,90 pontos. (Em primeiro lugar ficou Fernandópolis comm 8,82 pontos)

Gestão das Águas - 61º lugar com 3,69 pontos (Em primeiro lugar ficou Indaiatuba com 8,06 pontos)

Qualidade do Ar - 42º lugar com 3,33 pontos (Em primeiro lugar ficou Avanhandava com 7,70 pontos)

Conselho Ambiental - 19º lugar com 6,05 pontos (Em primeiro lugar ficou Fernandópolis com 9 pontos)

Uso do Solo - 11º lugar com 5,13 pontos (Em primeiro lugar ficou 7,63 pontos)

Estrutura e Educação Ambiental - 31º lugar com 4, 36 pontos. (Em primeiro lugar ficou Caraguatatuba com 7,91 pontos)

Arborização Urbana - 19º lugar com 2,80 pontos. (Em primeiro lugar ficou Iacanga com 6,15 pontos)

No geral, Catanduva ficou com 45,33 pontos, na 29º colocação. Ficou atrás de Avanhandava, Bento de Abreu, Bertioga, Botucatu, Campinas, Cândido Rodrigues, Capão Bonito, Caraguatatuba, Cerquilho, Fernandópolis, Franca, Guzolandia, Iacanga, Ibirá, Ibirarema, Indaiatuba, Itanhaém, Itu, Jundiaí, Lençóis Paulista, Novo Horizonte, Olímpia, Ribeirão Preto, Santa Rita do Passa Quatro, São José do Rio Preto, Sertãozinho, Tatuí e Valparaíso.


- A Pró-Saúde continuará com a direção das Unidades Básicas de Saúde. A prefeitura fez um contrato de emergência em cima do contrato de emergência que já estava em vigor. E de contrato de emergênca, em emergência, vai se tocando o barco. Segundo informações, mais 13 milhões por seis meses.

- Na última terça-feira, o ativista Marcelo Falcão usou a tribuna popular na Câmara Municipal. Ele solicitou - mais uma vez - que os vereadores reabrissem a CEI do Febom. Aproveitou para lembrar sobre o desvio financeiro na ordem de R$ 600 mil, lembrando ainda que a responsabilidade de gastos e contratos estava com o departamento de compras da prefeitura, que por um tempo tinha como diretor o atual vereador Cidimar Porto. Falcão apresentou números de conta corrente.

- Os vereadores decidiram encaminhar a documentação apresentada pelo ativista à Polícia Federal.

- Quem não gostou nada da história foi o próprio Cidimar Porto, que chegou a citar parte da Bíblia, aquela história dos "Bem Aventurados", etc e tal. Sugeriu que Marcelo Falcão estaria recebendo dinheiro para denegrir a sua imagem, e prometeu tomar as medidas cabíveis.

- Apesar que vamos e convenhamos, depois daquela história da CEI da Folha de Pagamento que culminou com a retirada do cartão alimentação dos aposentados, a imagem do vereador Cidimar Porto não está aquelas maravilhas. Principalmente entre os municipiários.

- Falando sobre a CEI do Febom, o vereador Luis Pereira lembrou que as investigações foram até a cidade de Santo André, onde o dinheiro teria caído numa das contas. Mas disse que a Câmara não tem poder de polícia para apanhar o cidadão que recebeu o dinheiro na conta.

- Mas uma questão levantada por Marcelo Falcão deve ser considerada: ele informou que o IP da máquina que realizou a transação seria o mesmo da prefeitura de Catanduva. Ou seja: a participação de funcionários municipais na transferência fraudulenta.

- O professor Antônio Flávio de Fázio (foto), protocolou junto ao Ministério Público de Catanduva - área da Infância e Juventude - representação para que se investigue e se responsabilize, se for o caso, o fato da prefeitura municipal de Catanduva - até esta data (17 de junho), não ter entregue os uniformes e materiais escolares aos alunos.

- De Fázio se disse indignado com esta situação, já que segundo ele, as crianças estão sendo muito prejudicadas - principalmente aquelas da periferia. Com a chegada do inverno, os alunos só têm os uniformes para ir para as aulas e estas roupas - que anualmente são cedidas gratuitamente pela prefeitura - são praticamente o único agasalho que possuem.

- A prefeitura alegou que a a última administração deveria ter deixado pronta a licitação. Porém, no mês de dezembro, a administração Geraldo Vinholi teria encaminhado documentação solicitando a Afonso Macchione se desejava o início de alguma licitação. A resposta teria sido negativa. Ainda assim, uma licitação para a compra de uniformes não costuma demorar meses, como aconteceu na cidade.

- Em entrevista à Nova TV, o professor foi mais além. Na última eleição, ele foi aliado de Macchione, e acompanhou o atual prefeito em diversos eventos e visitas. Neles, Macchione disse que se tratava de um absurdo a compra de pães de Marília, contrato com a Monte Azul (que segundo vereadores aliados a Macchione na última administração, seria com preço acima do mercado), a manutenção da Pró-Saúde. Ao assumir, Macchione manteve os pães de Marília, fez um contrato de aditamento com a Monte Azul e a Pró-Saúde continuará cuidando das Unidades Básicas de Saúde até o final do ano.

- Para De Fázio, quando se trata de cuidar do ser humano, parece que o governo Macchione é um pouco mais burocrático. Ou seja: as decisões demoram a sair.

A cada atualização, esta coluna receberá novos comentários e informações. Colabore enviando seu e-mail para arthur007@uol.com.br, com o título "Na Ponta da Pauta". Após recebermos a informação, realizaremos a checagem e publicação. Sigilo absoluto. Passando a Limpo: é você quem faz!


Nota 10 - Legião Mirim de Catanduva que através de colaboradores conseguiu lotar o Clube de Tênis para a palestra de Mário Sérgio Cortella.


Nota 0 - Para a prefeitura de Catanduva, que está enrolando para a liberação das casas do Nova Catanduva 2, ao invés de buscar uma solução rápida sobre o assunto.


Entrevista

Macchione diz se sentir "desconfortável" com plano de saúde de municipiários

O prefeito Afonso Macchione se declarou "desconfortável" com o plano de saúde dos municipiários. Na manhã de ontem, quinta-feira, ele foi entrevistado pela Rádio Difusora - FM. Entre vários assuntos, falou sobre a cesta básica dos aposentados, plano de saúde dos municipiários e o pagamento do dissídio do funcionalismo - promessa de campanha. Desde 2015, os funcionários esperam receber 5% de dissídio, além de aumento no valor do cartão alimentação. Macchione, em campanha, disse que pagaria rapidamente este valor, mas vem recorrendo contra decisão do Supremo Tribunal Federal.

Logo após a entrevista, o site Passando a Limpo recebeu oito minutos da fala do prefeito. Ele tenta explicar, de forma meio que confusa, a questão da súmula vinculante a respeito do cartão alimentação dos funcionários. Macchione se disse obrigado a cortar o cartão alimentação, responsabilizando o Ministério Público por esta inicitiava imediata.

Macchione também falou sobre a reclamação de vários professores, que estão denunciando pelas redes sociais e em conversas privadas que não estão conseguindo obter a licença-prêmio, benefício dado ao funcionalismo público a cada cinco anos sem qualquer punição. O servidor pode se afastar por até 90 dias, com seus vencimentos integrais. O prefeito negou que tenha proibido que os professores de tirar a licença prêmio, mas reconheceu que existe um "pedido" para que usufruam este benefício no período de férias escolares. "Se a pessoas quiser colaborar, tudo bem. Mas se quiser bater o pé, o que vai se fazer?".

A entrevistadora não tocou num dos assuntos polêmicos envolvendo a administração, principalmente na educação. O fato da secretária da pasta estar deixando a secretaria para dar aulas em escola da rede particular, em horário de expediente.

Em seguida, na entrevista, a parte mais polêmica. Ao ser perguntado sobre o plano de Saúde dos municipiários e a possibilidade de corte do benefício, o prefeito disse com todas as letras que era uma discussão interna da prefeitura e não era para ter "vazado". Segundo o prefeito, ele não queria trazer desconforto para os funcionários sem uma posição definitiva do governo.

Porém, Macchione disse que em sua opinião pessoal, o plano de saúde dos aposentados é uma injustiça. Ele se disse desconfortável com a situação. "Na verdade nós iniciamos uma discussão interna na prefeitura, não era para ter vazado, isso acabou vazando. Nós não queremos trazer para a população um desconforto sem que a gente já tenha um resultado. Não tem nada definido. Agora, eu, particularmente, eu acho, eu sinto desconfortável na medida em que o funcionário da prefeitura, ou seja a prefeitura é responsável pelo atendimento básico de saúde, então, olha o desconforto. Pode, poder pode, mas veja o desconforto, um funcionário do postinho de saúde, que tem que dar o atendimento médico ao cidadão, este funcionário tem o plano de saúde, o cidadão que paga este funcionário não é um desconforto? Eu me sinto totalmente desconfortável. Não sou eu que defino isso, isso vai ser um processo de discussão, vai para a Câmara, enfim, mas eu não acho isso legal, pô. Se nós temos que dar saúde para a população, nós também temos que receber esta saúde dos funcionários do município e não situações diferentes. Eu aplico a injeção e tenho plano de saúde, o coitado que está levando a injeção não tem o plano de saúde. E o pior: quem paga o plano de saúde é o cidadão".

Neste momento, a entrevistadora concordou com o prefeito. Macchione continuou:

"Então, é uma situação, não estou dizendo que a minha opinião vai valer, só estou externando o que eu acho, isso depende de uma série de discussões. O pais passa por uma crise. Quando tem, dá para pagar, quando não tem, tem que cortar, infelizmente..."

Sobre o dissidío, Macchione reconheceu que a promessa de campanha poderá não ser cumprida.

"Na verdade nós recorremos para ganhar tempo, pois não temos dinheiro agora. Na realidade estamos fazendo um estudo para a partir do ano que vem, já começar a pagar - vamos fazer um acordo- não sei se a gente vai conseguir isso, vamos fazer um acordo. Não sei se a gente vai conseguir pagar isso, zerar tudo, acho difícil , mas nós vamos fazer um acordo para que o funcionário possa receber este passado. Mas nós vamos pagar.".


É só clicar

- Enquanto você está aí, trabalhando por um sofrido salário, tem secretária da Educação ganhando quase 9 mil, e dando aula em colégio particular. No horário de expediente. Acho que vou pedir um nariz de palhaço para o Vem Pra Rua...

- Olhem que interessante. O ex-vereador Julinho Ramos apresentou uma lei autorizando os motoristas de ônibus a pararem fora do ponto, a pedido do passageiro, à noite. Não é que Macchione recorreu contra a medida? Pois não é que perdeu no TJ? A lei é válida. Será que vai recorrer de novo? O que isso incomoda o prefeito?

- Pessoal, vamos falar baixo pra não acordarmos os secretários....

- Entendam uma coisa. Na política não existe o bem contra o mal. Existem grupos políticos. Como cassar fulano ou sicrano quando um dos julgadores está com notas suspeitas? Como cassar alguém quando um dos julgadores agrediu um outro vereador na cerimônia de posse? Como cassar alguém quando um dos julgadores é acusado de assédio moral em cima de outro vereador, cadeirante? Como julgar alguém se o Conselho de Ética é presidido por um aliado total do Executivo, que deseja tomar o poder da Câmara? Antigamente, eu acreditava no bem contra o mal. Hoje, já sei que apenas as cores mudam. Mas o objetivo é um só: o poder.

- Atenção senhores vereadores. Agora que o circo terminou, vamos começar a trabalhar?

- Sejam sinceros, do fundo do coração. Acreditaram realmente que alguém seria cassado ontem?

- Eu pareço ser gente boa, mas na adolescência eu apertava campainha e saía correndo...

- São mentiras informações que circulam na internet apontando que na sessão desta terça-feira tudo acabou em pizza. Na realidade, pelos acontecimentos da semana, a coisa será na base do churrasco. E de Marília. Nada mais justo, pois o pão já é de lá...

- Rodrigo Genovez, assessor do vereador Maurício Gouveia, será readmitido, a partir desta quarta-feira, na Câmara Municipal. Enfim, uma boa notícia.

- Prefeitura vai lançar projeto para que as pessoas não fiquem tanto na escuridão. A partir de outubro. Irá se chamar: Horário de Verão.

PARA LER OS PRINCIPAIS ARTIGOS E COMENTÁRIOS PUBLICADOS NO FACEBOOK - CLIQUE AQUI


ESPAÇO DA CÂMARA - JORNAL DA CÂMARA


Catanduva tem queda em casos de dengue, zika e chikungunya

Catanduva registrou queda significativa nos casos de dengue, zika e chikungunya em 2017, em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a redução de confirmações foi de quase 90%.

No primeiro quadrimestre deste ano, a cidade teve apenas nove confirmações de dengue. Em março e abril, por exemplo, foi registrado apenas um caso em cada mês. Enquanto que nos primeiros quatro meses de 2016, foram 87 resultados positivos.

Neste ano, também não houve confirmação de chikungunya, zika vírus e nem de febre amarela – todas transmitidas pelo Aedes. Já no ano passado, o município contabilizou um caso confirmado de chikungunya e dois de zika, sem registro de febre amarela.

Só no começo desse ano, aproximadamente 19 mil imóveis foram visitados no Mutirão contra a Dengue, que inovou com visitas extras aos sábados. A iniciativa gerou a retirada, em estimativa, de até 10 mil criadouros do mosquito.

Outra novidade foi a notificação para que o morador não encontrado em sua residência, na visita de rotina, faça o agendamento em até 24 horas, sob risco de multa. A Secretaria de Saúde ainda conseguiu apoio dos proprietários de imobiliárias para facilitar a entrada das equipes de combate ao Aedes em imóveis fechados.

“Favorecem o enfrentamento ao mosquito o treinamento contínuo dos agentes e a criação da Brigada de Combate à Dengue, que consiste em manter espaços públicos limpos e livres de criadouros”, explicou o secretário de Saúde Ronaldo Gonçalves Júnior.

Denúncias

A EMCAa também recebe denúncias de moradores. A principal reclamação tem sido o acúmulo de materiais com água parada, além de sujeira, que geram temor e transtornos aos vizinhos. Só neste mês, dois casos chamaram a atenção. De uma casa abandonada no bairro São Francisco, foi retirada grande quantidade de materiais.

No outro caso, uma reclamação levou a equipe a um terreno pertencente a uma pizzaria, na rua Belém. No local, os agentes de endemias encontraram grande quantidade de restos de madeira e folhagem, ambiente ideal para a proliferação de animais peçonhentos. Sob orientação, o comerciante fez a limpeza de toda a área.


Enquanto isso...

- Vai recorrer do dissídio....?

- Assim, nem meus netos vão receber os tais 5%...


Dia seguinte...

- Mas você não falou que iria pagar o dissídio???


Aguardando atualização...


http://twitter.com/arthurgodoyjr





Tempo e temperatura


- Sabe que eu quase acreditei que ele iria pagar o dissídio sem recorrer?

- Você está ficando senil...



Em algum lugar do passado...

Briga nas galerias da Câmara

Um momento vergonhoso para Catanduva. Até hoje, ninguém foi punido...


Para avaliar o que leu no site Passando a Limpo e o nosso trabalho e linha editorial, clique no banner acima.

Coleta de dados em 28/01/2017

O que você achou do que leu no site Passando a Limpo?

O site foi imparcial, isento e pluralista. 7.14%

O site foi parcial. 35.71%

Passando a Limpo exagerou, foi sensacionalista. 14.29%

As matérias e opiniões apresentadas foram coerentes. 14.29%

O site Passando a Limpo não preencheu minhas expectativas. 7.14%

Passando a Limpo foi completo. 0.00%

Passando a Limpo foi preconceituoso. 0.00%

O site omitiu informações. 0.00%

Passando a Limpo foi pontual e excelente. 14.29%

Passando a Limpo está desatualizado. 0.00%

Passando a Limpo não está nem melhor nem pior que os jornais. 0.00%

Os colunistas foram bem. 0.00%

Os colunistas foram lamentáveis. 7.14%

Após a leitura, nada tenho a avaliar. 0.00%


Google


JORNAIS


PODERES


ENTRE EM CONTATO

99119-2715

(017)

- Não precisa discar código de operadora. É direto!

ou...

(011) - 99118-5007

(011) - 2725-1346

E-mail: arthur007@uol.com.br


Conectados

Onde estão os nossos leitores...

No Brasil

Potirendaba, Palmares Paulista; Novais; Elisiário; Tabapuã; Novo Horizonte; Carapicuiba; São Pedro; Ribeirão Preto ; São Paulo ; Catanduva ; São Jose Do Rio Preto; Campinas ; Araraquara ; Bariri ; São Carlos; Brasilia ; Rio de Janeiro; Marilia ; Sorocaba; Aracaju ; Presidente Prudente; Araçatuba ; Lins ; Paulínia; Osasco ; Fernandópolis; Porto Alegre ; São Jose Dos Campos; Uberlandia ; Barretos ; Franca ; Braganca Paulista; Santo Andre ; Americana ; Piracicaba ; Bauru ; Recife ; Tres Lagoas; Guarulhos ; São Vicente; Belo Horizonte; Assis ; Santos ; Hortolândia; Pindamonhangaba; Apucarana ; Jundiai ; Cuiaba ; São Caetano Do Sul; Nova Odessa ; Leme ; Indaiatuba; Navegantes; Pelotas ; Curitiba ; Salvador ; Goiania ; Rio Claro; Florianópolis; Barueri ; Manaus ; Taubate ; Limeira ; Itajuba ; Adamantina; Fortaleza ; João Pessoa; Presidente Epitácio; Santa Maria ; Cornelio Procópio; Blumenau ; Mogi-Guacu ; São Leopoldo; Londrina ; Bélem ; São Luis; Lorena ; Cascavel; Campo Grande; Suzano ; Botucatu ; São Sebastião; São João Da Boa Vista; Natal ; Ourinhos; Vitoria ; Porto Velho; Laranjal Paulista; Nova Iguacu ; Macapa ; Porto Ferreira; Caxias Do Sul; Chapeco ; Maceió ; Pocos de Caldas; Novo Hamburgo; Vila Velha ; Joinville ; Niteroi ; Dracena ; Cubatão ; Petrópolis; Uberaba ; Criciuma ; Teresina ; Canoas ; Conquista; Palmas ; Iperó ; Vitória Da Conquista; Imperatriz ; Vicosa ; Sete Lagoas; Porto Real ; Juatuba ; Itarare ; Jaguarari ; Santa Rosa; Caçador ; Ponta Grossa; Tupã ; Araguaina; Macaé ; Alfenas ; São Bernardo Do Campo; Eunapolis ; Passo Fundo; Cafelândia ; Flores Da Cunha; Cabo Frio ; Sobral ; Rio Verde; Mocóca ; Parobe; Itaperuna ; Barra Mansa; Campos ; Ribeirão Pires; São Jose Do Rio Preto; Lençóis ; Caetite ; Ijui ; Braço Do Norte; Mossoró ; Juazeiro Do Norte; Campina Grande ; Simões Fiho ; Floresta ; Teófilo Otoni; Três Corações; Teresópolis ; Paulista ; Dourados; Santana Do Livramento; Itaguai ; Itapetininga; Araxa ; Lajeado ; Cataguases; Cotia ; Avare.

Ao redor do planeta

United States ; Canada ; United Kingdom ; Panama; Argentina ; Portugal ; Italy ; Spain; France; Nigeria; Japan ; Angola; Germany; Chile ; Switzerland ; Ireland ; Turkey ; Guatemala ; Ecuador ; Russia ; Mozambique; Netherlands ; Sweden ; New Zealand; Czech Republic; Bolivia ; Colombia ; South Korea; Estonia ; Mexico ; Norway ; Paraguay ; Dominican Republic.

Fonte: Google


Sua cidade não está na lista? Mande-nos um e-mail para que possamos atualizá-la.


Se você gostou deste site, acha que falta alguma coisa, colabore com a gente. Envie e-mail para arthur007@uol.com.br, ou telefone para (17) 9119-2715. Precisamos do seu apoio e incentivo, já que esta página é editada em São Paulo - S.P., a 385 km de Catanduva e região. Nossa intenção é informar, debater e ajudar. Mande suas informações, fotos, comentários. Ajude a manter este espaço. Agradecemos desde já. (Passando a Limpo)


Atenção!

Para ter Passando a Limpo em seu órgão de informação, ou receber material editorial de Arthur Godoy Junior, entrar em contato com a direção do site pelos telefones, e-mail ou endereços citados nesta página. Consultorias em jornalismo e estratégias de informação também podem ser adquiridas pelo mesmo método.


Site Meter


Passando a Limpo é uma publicação on-line do jornalista Arthur Godoy Júnior (MTB 26.822) Endereço para contato: Rua Domingos Teotônio Jorge nr. 61 - Aricanduva - São Paulo - S.P, CEP 03904-040. Telefones: (17) 99119-2715, (0xx11) 2725-1346 e (0xx11) 99118-5007. E-mail: arthur007@uol.com.br - Hospedado na Locaweb - São Paulo. On-line desde 19/01/2003.